Saúde pública: Consamu pode gerir dois hospitais na região

O consórcio foi procurado pelos dois municípios e agora a possibilidade da gestão depende da aprovação dos 43 prefeitos que fazem parte do Consamu

Reportagem: Cláudia Neis 

Quando usar máscara de pano

Cascavel – O Consamu (Consórcio Intermunicipal Samu Oeste) pode fazer a gestão de dois hospitais públicos na região oeste: o Hospital Municipal de Cascavel e o Hospital Regional de Toledo. O consórcio foi procurado pelos dois municípios e agora a possibilidade da gestão depende da aprovação dos 43 prefeitos que fazem parte do Consamu. “As duas prefeituras apresentaram as propostas e elas serão levadas para avaliação e discussão na assembleia do dia 28 [deste mês]. Os prefeitos é que vão decidir se o Consamu entra nessa nova atividade, que é a gestão de hospitais, ou não. Depois dessa decisão é que se começam as análises e os detalhamentos de custos, contratação de pessoal e todos os detalhes relacionados”, explica o diretor-geral do Consamu, José Peixoto.

Hoje o Consórcio já faz a gestão de quatro UPAs (Unidades de Pronto-Atendimento) na região: Guaíra, Toledo, Marechal Cândido Rondon e Cascavel. Mas Peixoto ressalta que a gestão de um hospital é mais complexa e até o próprio estatuto do Consórcio teria que ser revisto.

Hospital Municipal

A apresentação da proposta para a gestão do Hospital Municipal de Cascavel foi feita ontem (19) pela administração municipal ao Consamu, à 10ª Regional de Saúde e ao Conselho de Saúde. A ideia é que o hospital comece com 28 leitos e dez de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), cujo custeio seria de R$ 1 milhão mensal, que, de acordo com o secretário de Saúde de Cascavel, Thiago Stefanello, viriam da União e do Estado.

O hospital poderia chegar a 60 leitos.

A vantagem da gestão pelo Consamu é a criação de referência de baixa e média complexidades, ampliação do número de leitos de UTI, pelo Estado e não compromete os municípios em relação ao limite prudencial.

Caso o Consamu concorde, a expectativa é de que a unidade entre em funcionamento entre março e abril do ano que vem no prédio do antigo Hospital Jácomo Lunardeli, hoje ocupado pela UPA Brasília.

Hospital Regional de Toledo

A proposta de gestão do Hospital Regional de Toledo é mais complicada. O prédio está pronto há três anos mas precisa de ampla reforma. De acordo com José Peixoto, seriam necessários pelo menos oito meses para que a estrutura fosse reformada. “A prefeitura já apresentou essa situação, então não é tão concreto quanto o de Cascavel. Mas o que vamos avaliar neste momento é se entramos ou não na gestão hospitalar”.

Para o custeio do HRT, com 80 leitos, sendo 10 de UTI, seriam necessários R$ 2 milhões mensais, que ainda não se sabe de onde viriam, uma vez que nem Município nem a Secretaria de Estado da Saúde informaram quem ficaria responsável pelo custeio.

O Município licitou a reforma em mais de R$ 5 milhões e a maior parte dos equipamentos já foi adquirida.

O Ministério Público acompanha o caso de perto e já há ações na Justiça.

A possível gestão do Consamu é uma tentativa do Município para abrir a unidade. As multas pelo atraso na abertura já chegam a quase meio milhão de reais.

Déficit: Cascavel deveria ter 480 leitos a mais

Estudo feito pela Prefeitura de Cascavel revela déficit de 463 leitos hospitalares e 17 de UTI. Cascavel tem hoje 532 leitos hospitalares, mas deveria ter 995; já os leitos de UTI são 82, mas deveria ser 99.

O cálculo é feito com base na normativa de três leitos para cada mil habitantes.

O secretário Thiago Stefanello diz que o problema não é só a falta de leitos. “A falta de leitos é um problema crônico, mas, além disso, tem o problema dos leitos que existem e que, de acordo com o que mostrou a auditoria da 10ª Regional de Saúde, não são informados… então é preciso operacionalizar o que existe e ampliar a quantidade”, ressalta.

De acordo com as informações apresentadas, Nova Aurora, Corbélia, Guaraniaçu, Quedas do Iguaçu, Capitão Leônidas Marques e Céu Azul se destacam como polos microrregionais e têm hospitais de referência para baixa e média complexidades. A microrregião de Cascavel, composta por Santa Tereza e Lindoeste, possui um vácuo na média complexidade hospitalar.

O estudo também mostra a dificuldade na regulação de pacientes para hospitais de baixa e média complexidades. Fica claro que os pacientes das UPAs de Cascavel, do Pronto-Socorro de Santa Tereza e do Hospital de Lindoeste teriam de ser regulados para esses hospitais de média e baixa complexidades e então, se houvesse necessidade, serem transferidos para hospitais de alta complexidade. Só que hoje, por conta da falta de leitos, todos os pacientes são levados aos hospitais de alta complexidade.

 


Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação