Faltando menos de um mês para o início da Copa do Mundo 2018, na Rússia, a expectativa é de que o evento movimente a economia brasileira.  A estimativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) é de um impacto positivo de R$ 1,51 bilhão no comércio varejista brasileiro, sendo R$ 106,1 milões no Paraná. Pelo estudo da CNC, o Paraná será o quinto Estado que mais vai ter ganhos com as vendas durante a Copa. O Mundial da Rússia acontece de 14 de junho a 15 de julho.

Segundo a estimativa, à frente do Paraná estão São Paulo (R$ 523,5 milhões), Rio de Janeiro (R$ 127,9 milhões), Minas Gerais (R$ 125,6 milhões) e Rio Grande do Sul (R$ 121,3 milhões). Se a previsão se confirmar, haverá um crescimento de 7,9% em relação ao mesmo período da competição de 2014 — disputada no Brasil —, quando o setor contabilizou um ganho extra de R$ 1,39 bilhão.

Historicamente, os segmentos especializados em eletroeletrônicos e eletrodomésticos e os artigos de vestuário esportivo têm os melhores resultados nessa época, além dos supermercados. As lojas devem registrar maior movimento nesse sentido a partir de agora, restando poucos dias para o início da competição. 

Mas, os ganhos normalmente são proporcionais ao desempenho da Seleção Brasileira. Ou seja, quanto mais tempo a equipe permanecer na competição, melhor será para os negócios. Na Copa passada, apesar do trágico resultado, a Seleção chegou até a fase final.

Setores

Especificamente neste ano, a perspectiva da CNC é de que o ramo de eletroeletrônicos, em que se concentram as vendas de televisores, responda por praticamente metade (49,4%) do faturamento do setor, no país, decorrente do evento.  A indústria nacional também acelerou a produção de eletrônicos para fazer frente ao aumento sazonal de demanda.