Com um Cartão Promover, uma espécie de “cartão de crédito pré-pago”, famílias tem a dignidade de chegar a um estabelecimento comercial e comprar alimentos, materiais de limpeza e de higiene, além de gás de cozinha. Esse é o objetivo do Programa Promover, que tem o ‘Cartão Promover’, da Prefeitura Municipal de Cascavel, desde 2018, que reduz o impacto da vulnerabilidade.

O Programa é referência em todo Estado, vários municípios já replicaram esse modelo de lei e de projeto desenvolvido em Cascavel, ainda na primeira gestão do prefeito Leonaldo Paranhos. Segundo o prefeito, o Promover é um projeto social de assistência necessário, mas que tem o desafio de ser temporário. “Se a gente dá o benefício e também estende oportunidades, a família vai sair [da situação de vulnerabilidade]. Não é muito legal as pessoas ficarem dependendo do poder público, isso tira, inclusive, a soberania da pessoa”, afirma.

O secretário municipal de Assistência Social, Hudson Morechi Junior, diz que a reformulação do programa é um dos atos mais importantes da política de assistência social. Agora, o programa terá também um cartão de R$ 300 e uma das novidades é um cartão pré-pago, com créditos de R$ 100, para situações emergenciais. “Com essa ampliação do programa será possível planejarmos a extinção da cesta básica”, explica o secretário.

De acordo com Morechi, o programa está aumentando seu alcance das atuaos 1,1 mil famílias atendidas simultaneamente, para 3 mil famílias, o que representa um investimento anual de R$ 6 milhões. Cascavel possui, atualmente, 37.998 famílias cadastradas no CadÚnico (Cadastro Único). Desse total, 4.725 famílias estão em situação de extrema pobreza e 3.144 em situação de pobreza.

Novas cores e cartões

Uma das novidades apresentadas ontem (3) pela administração municipal, é o “Cartão Azul”, que fará repasse de R$ 300 repassado às famílias em situação de extrema pobreza, que possuem renda per capita de R$ 89 mensais, por até seis meses. A referência de extrema pobreza tem como base os programas sociais do governo federal. A outra modalidade é o “Cartão Verde”, que destina R$ 100 às famílias vulneráveis, aquelas com renda de R$ 89,01 até R$ 178 por pessoa, também com duração de seis meses.

Já o “Cartão Amarelo”, chamado “Pré-pago”, disponibiliza R$ 100 de forma emergencial.  Ele é concedido de forma pontual para que as famílias utilizem apenas uma vez em situação de emergência. O secretário Hudson ainda destaca que um ponto muito importante do cartão é a autonomia das pessoas em poder comprar o que mais precisam naquele momento.

“Um idoso por exemplo, que não consome farinha de trigo, com esse cartão é possível que ele busque em um dos 60 mercados credenciados outro produto mais saudável, como frutas, verduras ou leite, itens que não vem numa cesta básica comum”, destacou Hudson.

Critérios

Para integrar o programa do Cartão Promover é levado em consideração o perfil socioeconômico das famílias que vivem em situação de extrema vulnerabilidade, com renda de zero a R$178 por mês.  Para receber a ajuda financeira, as famílias devem realizar o cadastro nas unidades do Cras (Centro de Referência da Assistência Social).

A mudança no programa integra as comemorações dos 70 anos de Cascavel.

(Colaboração – Jessica Milena)

 

“Vai fazer a diferença”

 

A dona de casa Daiane Di Bernardo, mãe de um bebê de dois anos, diz que o Cartão Promover faz toda a diferença e é um grande auxílio. “Em tempos de pandemia é uma ajuda muito grande, faz muita diferença para gente que tem criança pequena. A gente pega a cesta, mas a cesta não vem leite, tem muita coisa que precisa e não vem. Vai ajudar muito”, afirmou.

Quem também comemorou a remodelação do programa foi a dona de casa Terezinha França Fernandes. “Ajuda muito, com essa pandemia foi uma bênção de Deus. Dá para comprar muita coisinha, a gente pega na promoção. Como ajuda! Com o cartão se você quer um sabão em pó para lavar a roupa você compra”, diz.