Cascavel – Um dia após o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, lançar o novo modelo de concessão dos 3.368 quilômetros de rodovias do Anel de Integração do Paraná, o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos, usou as redes sociais para fazer um apelo aos eleitores e à base do presidente da República, Jair Bolsonaro, para solicitem ao presidente que retire do novo projeto a praça de pedágio entre Cascavel e Toledo, na BR-467, cuja tarifa de partida é de R$ 7,56.

Na quarta (11), Paranhos disse ter conversado pessoalmente com o ministro Tarcísio sobre a situação da região oeste, solicitando a revisão da praça, e ouviu como resposta que Tarcísio ficou de verificar com os técnicos do Ministério a possibilidade.

De acordo com Paranhos, a decisão agora é exclusiva do governo federal, por isso é importante que os bolsonaristas cobrem a retirada da praça. “O nosso apelo é para as pessoas ligadas ao presidente Bolsonaro. Ele tem um grupo de pessoas aqui que sempre lhe dá apoio… Temos que cobrar de quem é devido essa responsabilidade. (…) As rodovias federais são de responsabilidade do governo federal então é uma decisão do presidente da República e do ministro Tarcísio em ter ou não esse pedágio. Faço aqui um apelo aos apoiadores que têm a influência para fazer essa reivindicação. Nós não queremos fazer barulho, briga, confusão, queimar pneu, buzinaço… nós precisamos resolver o problema”.

“Foi dito o seguinte: a praça não terá degrau tarifário, além disso, haverá para os usuários permanentes, aqueles que passam várias vezes, um desconto, um bônus, mas isso não nos convence. Entendo que é uma proposta e tal, mas não nos convence. Nós queremos que não tenha a praça entre Cascavel e Toledo”, acrescentou

Paranhos disse que vai com o prefeito de Toledo, Beto Lunitti, a Brasília tentar resolver a situação.

 

O projeto

Serão leiloados seis lotes de rodovias na Bolsa de Valores. A previsão é de que ocorra ainda no primeiro trimestre do ano que vem. Os atuais contratos se encerram em 27 de novembro deste ano.

O projeto prevê R$ 43,5 bilhões em investimentos e R$ 30 bilhões em manutenção. Além das 27 praças de pedágio atuais, serão abertas mais 15 praças, três delas no oeste do Paraná: Toledo-Cascavel, Mercedes e Lindoeste.

O governo estadual estima redução média de 40% a 50% nas tarifas atuais, mas o setor produtivo teme que a progressão do seguro-usuário (nome dado ao aporte) limite em 17% os descontos no leilão. Nesse caso, a tarifa de pedágio de Cascavel a Toledo ficaria em R$ 6,27, trecho que já é duplicado.

 

Motos terão isenção de pedágio

As novas concessões de rodovias do Paraná terão uma novidade: as motocicletas serão isentas de tarifas.

Ontem (12), a Ministério da Infraestrutura estabeleceu a diretriz de política pública que isenta as motocicletas do pagamento da tarifa de pedágio. A medida vale para os projetos de concessão de rodovias federais que estão em fase interna de licitação, ou seja, prévia à publicação dos editais de leilão.

O texto atinge os seguintes projetos de licitação: BR-116/101/RJ/SP; BR-381/262/MG/ES; BR-116/465/493/RJ/MG; lotes um a seis das Rodovias Integradas do Paraná; lotes em estruturação pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); BR-040/495/MG/RJ; BR-040/DF/GO/MG (relicitação); BR-158/155/MT/PA; BR-135/316/MA; BR-163/267/MS (relicitação); e BR-060/153/262/DF/GO/MG (relicitação).

Leia também: