SÃO PAULO – Pelo menos três mulheres reconheceram, nesta segunda-feira, o homem preso acusado de atacar pessoas com uma seringa, na região da Avenida Paulista e na Zona Oeste de São Paulo. Ele está detido no 77° DP, em Santa Cecília, na região central, para que outras possíveis vítimas possam identificá-lo.

O homem foi preso neste fim de semana e, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), um pedido de prisão temporária do suspeito foi aceito pela Justiça e as vítimas farão o reconhecimento esta semana. Os policiais o prenderam porque encontraram uma seringa em seu bolso.

— Só quero que ele seja preso e vá se tratar, porque injetar coisas nas pessoas não é coisa de gente normal — desabafou uma das vítimas na saída da delegacia, que se identificou como Letícia. A jovem afirmou ainda que precisa fazer exames para saber se foi infectada.

 

Ivanna Fabiane disse ter sido atacada há dois meses, na Avenida Paulista, mas não fez o boletim de ocorrência. Tomou coragem ao ver a repercussão do caso. Após deixar a delegacia, ela contou que passou por exames.

— Deu negativo para HIV , hepatite e sífilis — comemorou.

O caso está sendo investigado pelo 78º DP, no Jardins, zona oeste da capital. Segundo informações no local, é preciso que se aguarde o exame feito na seringa encontrada com o homem, e também das vítimas dos ataques para conhecer o conteúdo da substância que teria sido injetada nas pessoas.