Isenção aos caminhoneiros

O deputado estadual Delegado Fernando Martins assinou, junto com outros parlamentares, um requerimento na Assembleia Legislativa do Paraná, solicitando ao Governo do Estado a isenção de tarifas de pedágios para caminhoneiros que trafegarem pelas rodovias estaduais durante período de quarentena.

“Assinei um requerimento, com outros deputados, solicitando ao Governo do Estado a suspensão da cobrança das tarifas de pedágio aos veículos responsáveis pelo transporte de cargas em todo território estadual, independentemente de sua origem ou destino. O Governo já reforçou o apoio aos caminhoneiros nas estradas, mas acredito na importância da isenção do pedágio para estes profissionais, pois são eles que garantem o abastecimento de produtos em nosso Estado neste período de combate ao Covid-19”, finaliza Martins.

R$ 8 milhões da Defensoria

A Defensoria Pública do PR vai destinar R$ 8 milhões à Secretaria de Saúde, através de acordo firmado entre o defensor público-geral, Eduardo Abraão, e os deputados Hussein Bakri (PSD) e Tiago Amaral (PSB), para ser usado no tratamento de pacientes infectados com o coronavírus. “A Defensoria Pública tem em sua essência uma atuação voltada ao social, dando apoio jurídico a quem mais precisa. E, num gesto louvável do doutor Eduardo Abraão, o órgão vai ajudar o setor que mais necessita de recursos neste momento, que é a área da saúde. O dinheiro será usado na compra de leitos extras de UTI e equipamentos básicos”, comemorou Bakri.

Governo terá R$ 115 milhões

No total, o socorro financeiro que será repassado ao Governo do Estado pelos demais órgãos e poderes soma até o momento R$ 115 milhões: R$ 50 milhões do Tribunal de Justiça, R$ 37,7 milhões da Assembleia, R$ 15 milhões do Tribunal de Contas, R$ 8 milhões da Defensoria e R$ 5 milhões do Ministério Público. “Além dos recursos do orçamento do Executivo, estamos viabilizando junto aos demais Poderes, de imediato, aportes financeiros. Sabemos que ainda não é o suficiente, mas é um primeiro passo. Não pode faltar dinheiro para cuidar da saúde dos paranaenses e, depois, para a recuperação da economia”, afirmou Tiago Amaral.

Seriedade

“Não é hora de jogar nem de arriscar”, diz o presidente da OAB Paraná, Cássio Telles, recebendo com perplexidade as declarações feitas na noite da terça-feira (24), pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro. “Inacreditável o que vimos no pronunciamento. Não é hora de jogar nem de arriscar. É preciso cobrar firmeza, equilíbrio e respeito às opiniões técnicas de profissionais da área da saúde, além de união e seriedade das nossas autoridades. O que vimos no pronunciamento vai em sentido oposto. Só trouxe insegurança e divisão num momento tão delicado. Quanta irresponsabilidade”, afirmou Telles.

Isolado

O presidente Jair Bolsonaro se isolou ainda mais na crise do coronavírus. Desde que a calamidade pública começou a assombrar a população, Bolsonaro deu mais poder ao “gabinete do ódio”, núcleo ideológico que o incentiva a adotar um estilo mais beligerante, atacou governadores e a imprensa e desautorizou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Diante da pandemia, nem cogitou a possibilidade de convocar o Conselho da República. Em conversas reservadas, ele chegou a dizer que não vai ficar “refém” dos conselhos.