Lange na Cohapar

O vice-prefeito de Cascavel, Jorge Lange (PSD), pediu afastamento do cargo para migrar para o governo estadual. Em seu pedido enviado à Câmara, Lange diz “ter recebido o convite do governo do Estado para ocupar cargo de relevância”. Embora mantenha boa relação com o prefeito Leonaldo Paranhos (PSC), poucas vezes sentou na cadeira de prefeito. Extraoficialmente, comenta-se que Lange vai presidir a Cohapar (Companhia de Habitação do Paraná), o que pode lhe garantir a visibilidade que precisa para realizar antigo sonho de disputar uma vaga à Assembleia Legislativa do Paraná.

Alécio prefeito?

Lange se afasta a partir de 1º de janeiro de 2019, sem previsão de voltar. A cadeira de vice-prefeito fica vaga e quando Paranhos se ausentar, quem fica à frente do Paço é Alécio Espínola, que assume a presidência da Câmara dia 1º.

É fake, vereador!

Ontem Pedro Sampaio quis fazer uma analogia da política cascavelense com um suposto “fato” ocorrido com o ex-governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger. Sampaio repetiu o que é compartilhado na internet de que Arnold teria dormido ao relento em um hotel inaugurado por ele quando era governador. A gerência havia prometido hospedagem gratuita eternamente ao ator. Enfim, o episódio é fakenews – notícia falsa.

Lixo pesado!

Os vereadores Sebastião Madril e Jorge Bocasanta foram conferir como é a pesagem do lixo em Cascavel. Descobriram que a empresa que recebe milhões ainda trabalha com um sistema muito parecido com o usado no tempo das cavernas: para ser fiel ao passado, só faltou o carvão para escrever nas paredes. Os funcionários anotam em papéis o total do lixo de cada caminhão. Os vereadores questionaram então qual o controle do dito papelzinho. A irregularidade é tão evidente que não há câmeras e do lado da balança tem uma estrada paralela por onde passam os caminhões muito pesados e que fogem da balança.

Coerência

Após pedido de vista ao projeto que estipulava a divulgação de informações na forma de dados abertos pelo Executivo e pelo Legislativo pelo vereador Josué de Souza, os parlamentares autores Fernando Hallberg, Sebastião Madril e Paulo Porto votaram favoravelmente, adiando a votação da proposta para a primeira sessão do ano que vem. Uma coerência dos parlamentares em apoiar que no caso de dúvidas, o vereador deve pedir vista. A base rejeitou que o processo seja automático, por isso, o pedido sempre será submetido a votação.