O trecho do Rio Cascavel perto da Estação de Tratamento de Água Rio da Paz da Sanepar recebeu ontem um mutirão de limpeza. As duas embarcações do Corpo de Bombeiros iam abrindo caminho cortando os galhos das árvores para que outros detritos pudessem ser recolhidos.

Em outro ponto, a Polícia Ambiental instalou uma rede para reter objetos como garrafas pets, isopor, brinquedos e diversos tipos de resíduos. A Sanepar levou trabalhadores que recolheram os objetos e ajudaram na coleta dos galhos e troncos de árvores.

Equipes da Secretaria de Meio Ambiente deram suporte com dois caminhões e uma retroescavadeira.

Ao todo, cerca de 20 pessoas estiveram envolvidas na limpeza e no fim do dia os dois caminhões saíram cheios do local.

“Encontramos quatro ilhas de lixo. Elas se formam porque caem árvores e galhos que forma uma represa e, com isso, o lixo se acumula e o rio transborda e alaga as propriedades vizinhas”, explica o técnico operacional da Sanepar Dirceu Garcia.

Os trabalhos precisam de continuidade devido à grande quantidade de lixo mas não foi agendada nova data.

Rio sempre cheio de lixo

“Não dá nem para dizer o que não tem no rio, porque ali tem tudo. É muito lixo, mas muito mesmo. Boa parte disso vem desde lá da Vila Tolentino, dentro da cidade, por onde passa o Rio Quati que desce para cá”, conta o agricultor Adir de Souza, que tem um sítio ao lado do Rio Cascavel. “É muito bom que ocorra a limpeza. A gente precisa porque sempre alaga aqui. Mas a prefeitura e a Sanepar tinham que pensar em outras soluções, como reter o lixo na cidade mesmo, além de o pessoal se conscientizar e não jogar mais lixo no rio”.