Marta SuplicySÃO PAULO ? O primeiro dia de campanha em São Paulo nesta terça-feira teve discursos anti-PT, encontros inusitados e constrangimentos. A senadora Marta Suplicy (PMDB) visitou o Complexo Educacional Jambeiro, em Guaianases, na Zona Leste, feito por ela quando prefeita (2000-2004). Ela tentou se desvincular do seu antigo partido, o PT, mas foi recepcionada por crianças aos gritos de “Ô Dilmaaaa”, “Ô Dilmaaaa”, em referência à presidente petista afastada de quem Marta foi ministra.

A militância de apoio à candidata, de cerca de cem pessoas, foi trazida pelo ex-deputado estadual Luiz Moura, expulso em 2014 do PT depois de ter sido flagrado pela polícia em uma reunião de líderes da facção criminosa que atua nos presídios de São Paulo.

Perguntada se seria uma preocupação sua explicar ao eleitor a troca de legendas, Marta disse:

? Zero preocupação.

João DoriaMais cedo, o candidato do PSDB, João Doria, investiu no discurso anti-PT.

? Uma vez PT, sempre PT. Ninguém pode desconhecer nem negar o seu passado – afirmou o tucano, se referindo ao prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) e a deputada Luiza Erundina (Psol), além de Marta Suplicy, em visita a uma obra de um empreendimento residencial no bairro da Barra Funda, onde tomou café com leite em copo de plástico e comeu sanduíche de queijo no refeitório dos operários.

Fernando HaddadO prefeito de São Paulo e candidato à reeleição passou o constrangimento de ver um pequeno grupo de pessoas chamar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ladrão e xingar o seu candidato a vice, Gabriel Chalita.

? Acho um equivoco atacar uma agremiação, atacar um partido, uma igreja. Penso que é uma atitude de imaturidade política ? disse Haddad, ao ser perguntado sobre os ataques feitos por João Doria.

Líder nas pesquisas, o deputado Celso Russomanno (PRB) visitou um bairro pobre do extremo leste da cidade e criticou o prefeito Fernando Haddad. Ao andar pelas ruas sem asfalto da Vila Itaim, ele disse aos eleitores que a prefeitura tem falhado no combate a enchentes e ao descarte irregular de entulhos.

Russomanno caminhou por cerca de uma hora e meia ao lado do vereador Marquito (PTB) e do ex-jogador Marcelinho Carioca, que se filiou ao PRB recentemente para disputar como vereador. O deputado entrou em cinco casas, visitou dois terrenos às margens do Rio Tietê e do córrego Tijuco Preto, tirou fotos e ouviu reclamações dos moradores.

russomano? Fiz questão de vir aqui no meu primeiro dia de campanha para mostrar o descaso. A Prefeitura não faz o mínimo por vocês ? disse a um eleitor.

Dentro da casa de outra pessoa, que relatava a tragédia anual das enchentes, fez outra crítica a Haddad ao dizer que é importante andar pela cidade.

? Gosto de andar pela cidade. Quem não sai do gabinete perde o que a cidade tem a oferecer, de bom e de ruim.

DORIA X ERUNDINA

No início da tarde, as militâncias de Luiza Erundina (PSOL) e João Doria se encontraram na região central de São Paulo. Erundina aproveitou o encontro para criticar Doria, que é contra sua presença nos debates de TV. Pela nova reforma eleitoral, candidatos, cujos partidos não têm mais de dez deputados eleitos, não podem participar dos debates.

Com gritos de “Ô Doria, eu quero ver a Erundina no debate da TV” as duas militâncias caminharam lado a lado por alguns minutos. Não houve reação do lado tucano. Apenas um jovem ligado ao PSDB atravessou a rua e cumprimentou a candidata do PSOL.

? Eu não nego meu passado. Eu não deixei o PT, foi o PT que me deixou. Eu tenho orgulho do meu passado, porque ele coincide com o passado do povo dessa cidade. Não tenho o que esconder.