Treinador experiente e bastante rodado no futebol brasileiro, Agenor Piccinin está de volta a Toledo para comandar a equipe depois de dez anos fora. Sempre requisitado para “salvar” campanhas em fim de campeonato, desta vez ele tem nova oportunidade de iniciar um projeto. E para estrear com vitória no Estadual, ele conta com a vivência de já ter estado nos dois lados do Clássico da Soja.

“Tenho orgulho de dizer que eu já disputei vários clássicos no Paraná e talvez seja um dos treinadores que mais disputou o da Soja. Sei qual a exigência tanto do Toledo quanto do Cascavel. Sei da repercussão pós-jogo nas duas cidades, e posso dizer que clássico é momento. É momento em campo e do atleta. E nós estamos num momento bom”, diz Piccinin, de 63 anos e que em 2017 foi contratado às pressas pelo FC Cascavel para salvar a equipe do rebaixamento e conseguiu êxito, e que em 2018 iniciou o projeto do Cascavel CR na Segunda Divisão – o time terminou vice-campeão -, mas pediu para sair em meio ao campeonato.