Após um mês de levantamentos, a Comissão de Sindicância criada para apurar a troca de materiais na execução de uma ponte no EcoPark, Bairro Morumbi, pediu prorrogação de prazo para continuar a investigação por mais sessenta dias – estendendo até junho a conclusão do relatório.

A empresa responsável pela obra – a Contersolo, de Mandaguaçu – manifestou defesa de 863 páginas que agora passam pela análise dos servidores da Prefeitura. Entre os argumentos está a devida autorização para a troca de tubos em aço para drenagem por concreto, material três vezes mais barato do que o previsto em licitação e em contrato. Porém, devido o sigilo da investigação, não houve divulgação ao Hoje News de quem teria partido essa autorização. Questionamento que resultou inclusive na exoneração de três secretários municipais. A manifestação veio no último dia do prazo estipulado pelos membros da sindicância.

A Contersolo cobra ainda uma perícia técnica dos materiais usados, porém, essa análise vai depender da decisão dos membros da sindicância. Se favorável, uma empresa terá que ser contratada para realizar o levantamento.

A empresa pediu também que 13 testemunhas sejam ouvidas, entre elas o ex-secretário de Obras e vice-prefeito, Jorge Lange, e o ex-presidente do IPC (Instituto de Planejamento de Cascavel) Fernando Dillenburg. O único nome que a Contersolo não incluiu nas oitivas é do ex-secretário de Meio Ambiente, Juarez Berté. Apesar disso, ele foi notificado a prestar esclarecimentos pela Comissão.

Quatro mil páginas

O processo tem ao todo quatro mil páginas, em pouco mais de um mês de investigação. Só a licitação – que também passa a ser analisada – tem 1,5 mil páginas. O relatório da apuração feita pela Câmara de Vereadores também está nas mãos da sindicância e será usado para esclarecer possíveis dúvidas.

Além de verificar se houve autorização para a troca de materiais, o trabalho busca apurar se houve alguma infração da empresa, que ao fim da investigação, pode até ser impedida de participar de licitações e até ter que arcar com multas. A Comissão é presidida pela advogada Nádia Parcianello e tem como membros a contadora Elisete Dias Viana, além do engenheiro civil, Adir Tormes.

Obras continuam em andamento

As obras seguem em andamento, e conforme determinação do prefeito Leonaldo Paranhos (PSC), a empresa deve executar as outras duas pontes com o material previsto em licitação. Já o impasse sobre a primeira ponte feita em cimento continua nas mãos da Justiça.

O projeto do parque Morumbi compreende a recuperação e alargamento do canal da Sanga Amambay com proteção das margens, recuperação da mata ciliar e construção de diversos equipamentos públicos de esporte e lazer, incluindo o Centro de Convivência Intergeracional, com 1.634 m².

O Eco Park do Morumbi integra a obra do PDI (Programa do Desenvolvimento Integrado). A licitação foi vencida pela empresa Contersolo Construtora de Obras Ltda com o valor de R$ 16.950 milhões.