CONFIRA AS DICAS

Vai comprar um carro? Confira seis dicas para evitar armadilhas

Ingressos da etapa Cascavel já estão a venda!

Carro usado
Segundo o levantamento, em 67% dos lares do país, os custos com o automóvel estão entre os três principais gastos anuais. Foto: ilustração

Uma pesquisa do Serasa publicada em janeiro, revelou que os gastos com automóvel são a segunda maior despesa do orçamento familiar do brasileiro, depois da alimentação. Segundo o levantamento, em 67% dos lares do país, os custos com o automóvel estão entre os três principais gastos anuais.

De acordo com o educador financeiro e especialista em investimentos Raul Sena, essa é uma despesa que precisa ser ajustada ao orçamento mensal e que traz uma série de armadilhas para quem compra um carro por impulso ou por uma decisão emocional – status ou influência de propagandas, por exemplo. 

Planeje os gastos

Carro, alimentação, aluguel e outros custos fixos não devem ultrapassar 40% da sua renda mensal. Segundo Raul, manter as despesas dentro desse percentual diminui a chance de endividamento. Se há aumento desse valor, qualquer imprevisto vai impactar as contas e, quando isso acontece, gera descontrole em todo o resto do orçamento. “Deixar de pagar uma parcela de um carro que você sabe que vai ter que pagar, que é um custo fixo, pode fazer com que você não consiga mais se organizar”, explica.

Novo ou usado?

Na hora de comprar um carro, se optar por um usado, prefira os seminovos com menos de quatro anos de fabricação. “Esse período é o ideal pois o custo de manutenção é menor, e ainda pode ter garantia”, destaca. Já o carro novo deve, preferencialmente, ser comprado à vista ou com uma entrada suficiente para financiar o restante sem juros. Os juros sempre devem trabalhar para você, e não contra você, a não ser em situações muito específicas, como a compra da casa própria com taxas menores.

Custo da manutenção

Dependendo da marca, tanto peças quanto o consumo de combustível, IPVA e seguro podem ser altos demais e comprometer seu orçamento. “Escolha um carro que você seja capaz de manter. Mesmo que você tenha recursos para comprar um carro de uma categoria acima, mas que custe 20% a mais, pense que esse valor, na prática, pode representar um aumento de até 40% nos custos com manutenção”, alerta.

Financiamento

Se não for possível comprar à vista e o carro realmente for indispensável para você e sua família, planeje-se e coloque em perspectiva se você poderá pagar as parcelas até o final. Lembrando que essas parcelas devem estar dentro dos 40% do seu custo fixo mensal, assim como os custos de manutenção. “Muitas vezes a pessoa faz um financiamento de acordo com o momento financeiro que está vivendo, mas não considera que a vida pode mudar e o valor da manutenção também. É preciso sempre deixar uma margem de emergência”, diz Sena.

À vista

Em algumas situações, a pessoa economiza para comprar à vista e “se livrar” do financiamento. Se for o seu caso, com dinheiro em mãos, você tem uma possibilidade maior de negociação com quem está vendendo. Procure se informar sobre os valores praticados (tabela FIPE e portais especializados em compra e vendas de automóveis, por exemplo), para ter noção da margem de negociação que você poderá ter. Pesquise e negocie bastante para ter certeza de que vai fazer o melhor negócio possível.

Necessário?

Quantas vezes você usa o veículo por semana e por quais motivos? Quais os trajetos que percorre? Há opção de transporte público fácil perto de você? Se a família já tem um carro, há necessidade de mais um veículo na garagem? São perguntas importantes que podem ajudar a direcionar no momento da compra, e evitar um gasto por impulso. Afinal, o carro pode ser uma necessidade, mas também um símbolo de status. E uma compra desse valor pautada por uma decisão emocional pode comprometer todo o orçamento. Outra dica importante: compare o quanto você gasta com o carro e quanto gastaria com transporte de aplicativo.