O economista Roberto Campos Neto comandará o Banco Central a partir de janeiro. A informação foi confirmada pela equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). A permanência de Mansueto de Almeida como secretário do Tesouro também foi ratificada pela equipe.

Executivo do Banco Santander e neto do ex-ministro Roberto Campos, Campos Neto substituirá Ilan Goldfajn, que não aceitou o convite para permanecer no cargo. Formado em economia, com especialização em finanças, pela Universidade da Califórnia, Campos Neto tem 49 anos.

Para assumir o cargo de presidente do Banco Central, Campos Neto precisa ser sabatinado pela CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado e ter seu nome aprovado. O plenário da Casa também precisa referendar a indicação. O cargo de presidente do Banco Central tem status de ministro.

O avô do futuro presidente do BC, o economista Roberto Campos, comandou o Ministério do Planejamento no Governo Castelo Branco, de 1964 a 1967. Nesse período, ele foi um dos idealizadores e presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), de agosto de 1958 a julho de 1959.

 

Quem são os ministros já escolhidos

O presidente eleito Jair Bolsonaro já indicou oito ministros para seu governo, que começa em janeiro. E diz que não serão mais do que 15, embora já tenha fechado e reaberto, juntado e separado alguns deles, o que pode aumentar um pouco o número até o ano que vem. Até agora, há oito escolhidos:

Chefe da Casa Civil Onix Lorenzoni

Fazenda Paulo Guedes

Ciência e Tecnologia Marcos Pontes

Justiça e Segurança Sérgio Moro

Relações Exteriores Ernesto Azevedo

Segurança Institucional General Augusto Heleno

Agricultura Tereza Cristina

Defesa General Fernando Azevedo