Prestação de contas: Paraná gastou R$ 5,5 bi em saúde ano passado

Em todo o ano, o governo do Estado investiu R$ 5,5 bilhões, equivalente a 12,20% do orçamento, pouco acima da previsão mínima exigida por lei.

Curitiba – O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, participou da audiência pública da Comissão de Saúde Pública da Alep (Assembleia Legislativa do Paraná), nessa terça-feira (3), para fazer a prestação de contas da gestão referente ao último quadrimestre de 2019.

Quando usar máscara de pano

Em todo o ano, o governo do Estado investiu R$ 5,5 bilhões, equivalente a 12,20% do orçamento, pouco acima da previsão mínima exigida por lei.

A estratégia de regionalização dos serviços de saúde, os investimentos na atenção à saúde do idoso, o fortalecimento dos consórcios municipais de saúde e a mortalidade fetal e infantil – que apresentou números mais baixos se comparado ao ano passado – foram alguns dos principais assuntos apresentados.

“Todos os questionamentos feitos pelos deputados tiveram resposta e outros ainda terão dados levantados para sanar quaisquer dúvidas. Importante é que pudemos apresentar ao Poder Legislativo aquilo que vem sendo feito pela Secretaria da Saúde, de forma transparente e respeitosa”, disse o secretário.

Regionalização

Uma das prioridades do governo do Estado, segundo o secretário, é o fortalecimento da regionalização dos serviços de saúde, levando o atendimento médico para mais perto da população, de forma a que as pessoas sejam melhor atendidas e percorram menores distâncias. “A descentralização da saúde pública busca diminuir as viagens dos pacientes para fazer procedimentos cirúrgicos que podem ser feitos nas próprias regiões”, explicou Beto Preto.

A estratégia já vem sendo colocada em prática com o fortalecimento dos consórcios intermunicipais de saúde. Para este ano, a previsão é dobrar o volume de recursos, que deverá chegar a R$ 60 milhões por parte do governo do Estado.

“Temos previsão orçamentária para este ano de mais de R$ 100 milhões para a construção de dez Ammes [Ambulatórios Médicos Multiprofissionais em Saúde]”, ressalta o secretário.

Saúde do Idoso

Beto Preto apresentou aos deputados o projeto do governo de política intersetorial para que seja possível promover um envelhecimento com mais qualidade.

No ano passado, a secretaria realizou o 1º Encontro Envelhecer com Saúde no Paraná, com o objetivo de sensibilizar os profissionais de saúde para a necessidade de desenvolver ações multi e intersetoriais que atendam as demandas da crescente população idosa do Paraná.

Com o apoio do Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, foi implantado em Irati o PlanificaSus, que prevê a integração das ações da atenção primária e atenção especializada e envolve os nove municípios da região. “Temos uma meta audaciosa para os próximos anos, uma quebra efetiva de paradigmas: precisamos tratar da saúde do idoso com o mesmo afinco que temos com atenção à saúde materno-infantil, por exemplo. A meta é ampliar o PlanificaSus para todas as regionais de saúde do Paraná”.

Materno-infantil

Com o intuito de reduzir as taxas de mortalidade, a Secretaria da Saúde vai dar continuidade à qualificação da atenção materno-infantil. Em 2019, 1.566 óbitos infantis foram registrados, contra 1.614 em 2018. Já para morte fetal, foram 991 em 2018 e 970 ano passado.

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

doze + 13 =