Cascavel – Com muitos veículos antigos no patrimônio e até falta de carros para atender as demandas do Município, a Prefeitura de Cascavel decidiu terceirizar a frota pública. Por meio de licitação (registro de preços para o período de 12 meses), a Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão vai contratar uma empresa para fornecer até 456 veículos, com características diferentes para atender as necessidades de cada setor.

O gasto dependerá de quantos carros serão usados durante o contrato. Porém, o valor máximo estipulado em licitação é de R$ 827.121,96. O certame está marcado para 13 de setembro, às 8h30.

Conforme edital, a empresa ganhadora deverá fornecer 96 veículos 1.0, flex, quatro portas (valor mensal unitário de R$ 1.555,50 pela locação); 60 veículos 1.0 flex, quatro portas, com ar e protetor de carter – destinado a uso em rodovias sem pavimento (valor mensal unitário de R$ 1.555,50 pela locação); 60 pick-ups, duas portas, 1.3 (valor mensal R$ 1.731,09); 144 sedans 1.4, flex, quatro portas, com ar e vidros elétricos (cada R$ 1.777,47); 48 pick-ups 1.4, com ar e protetor de carter, destinados à área rural (cada R$ 1.744,43); 48 veículos 1.8, minivans, com ar, com sete lugares (cada R$ 2.935,63).

Os veículos atenderão às necessidades de diferentes departamentos. Quando estiver definida a vencedora, a empresa terá que fornecer os veículos em um prazo de sete dias e, sempre que entrar em manutenção, o prazo máximo para substituição de um veículo será de 24 horas. Em caso de pane, a empresa tem que garantir a troca do carro. Além disso, a contratada terá que oferecer serviços de reboque/socorro – 24 horas. A empresa terá de disponibilizar serviço telefônico para assistência integral.

Há ainda outras exigências sobre a frota ofertada: os carros devem ter no máximo dois anos ou 50 mil quilômetros rodados – a troca terá que ser feita sempre que atingidos esses parâmetros. Toda frota terceirizada terá que manter seguro, com cobertura de até R$ 100 mil, inclusive para terceiros. Pelo edital, a prefeitura informa que a empresa deve levar em consideração que a Secretaria de Agricultura utilizará os carros em áreas não pavimentadas e as consequências são de responsabilidade da terceirizada.

Reportagem: Josimar Bagatoli