Oposição paraguaia protocola pedido de impeachment contra presidente e vice

justificativa seria o cancelamento do acordo com o Brasil, no dia 1º

Assunção – Um grupo de 30 deputados opositores ao governo paraguaio apresentou nessa terça-feira (6) o pedido de impeachment contra o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, o vice-presidente Hugo Velázquez e o ministro da Fazenda, Benigno López, em razão do acordo fechado com o governo brasileiro em maio deste ano sobre a venda de energia de Itaipu.

Na semana passada, a expectativa era de que o assunto estivesse resolvido devido à retirada total de apoio do Partido Colorado (ANR), que é alinhado ao presidente da República. A justificativa seria o cancelamento do acordo com o Brasil, no dia 1º.

Mesmo assim, o grupo liderado pelo Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA), opositor ao governo, alinhou-se a partidos menores para apresentar o pedido. A retirada total de apoio do Colorado, em tese, indica que não haverá votos suficientes para aprovação em plenário do impeachment, já que são necessários mais de 50 votos.

Escândalo

A apresentação do pedido, agendada para ontem ainda no fim de semana, coincidiu com o mesmo dia em que o jornal paraguaio ABC Color divulgou troca de mensagens entre Benítez e o então presidente da estatal energética responsável por Itaipu (Anade), Pedro Ferreira, que mostram que Benítez tinha conhecimento dos detalhes do acordo com a Eletrobras, e ainda teria sido pressionado pelo Brasil para aceitar os termos do acordo.

Ambos os episódios levaram os congressistas do Partido Colorado a se reunirem ontem na casa do ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes, segundo o ABC Color, para discutir se a sigla manterá o apoio a Benítez.

Cartes lidera uma das bancadas do partido, normalmente alinhada ao governo. A outra metade do Colorado, denominada Añetete, a princípio havia se posicionado contra o apoio colorado a Benítez. Caso a parte liderada por Cartes mude de opinião, é provável que a bancada Añetete não hesite em também fazê-lo.

Entenda o caso

O acordo bilateral assinado em 24 de maio para a contratação de energia de Itaipu entre Brasil e Paraguai provocou uma crise política no governo do presidente Mario Abdo Benítez desde que veio a público, no fim de julho. A imprensa paraguaia revelou que uma cláusula que favorecia o Paraguai no pacto foi deixada de lado e o aumento do preço repassado ao consumidor paraguaio não foi divulgado ao grande público. A crise resultou na renúncia de cinco pessoas ligadas ao governo, dentre elas o chanceler paraguaio, Luis Alberto Castiglioni, o embaixador do país no Brasil, Hugo Saguier, e o presidente da Ande.



Fale com a Redação

três × cinco =