De fato, é muito verdadeiro quando o afeto mora nas conversas bem despretensiosas que temos com as pessoas que gostamos, sobre filmes, viagens e séries.

Quando você escuta os sonhos dos outros, naquele momento existe muito carinho envolvido, mesmo que nunca se realizem e você apenas acolhe, porque nos sonhos contados que se manifestam a intimidade de quem você ama.

Esta frase acima enfatiza e nos faz refletir como esta nossa empatia com quem amamos, nossa paciência com quem está conosco.

Para quem forma um casal, um sentimento de pena reflete em minha mente, até mesmo aqueles que sonham em encontrar a sua cara metade, pois muitas pessoas desprezam o valor de uma conversa amena.

Fiquei penando muito em algo: imaginar uma vida inteira ao lado de alguém que só conversa sobre filosofia de algum autor referência, como Padre Santo Agostinho, e se solta uma piada vez ou outra, é para exercitar seu gracejo.

A força, ou melhor, ser forte, é um dos temas que instruo na Bioliderança® e me dei conta, mergulhado nos últimos estudos, que é uma força dominar a arte da conversa amena, do dia a dia.

Contudo, nobres leitores, é aqui que o contexto principal fica instalado. Para que possamos peregrinar neste deserto, precisamos ter repertório.

Falar sobre a probabilidade de chuvas, não é conversar, mas falar sobre uma série que empolgou você, sim.

A escassez de repertório adquirida, especialmente o repertório interesseiro irá provar o quão chato é sua conversa. Quem tem uma péssima conversa, se relaciona pessimamente também e creio que não deseja isto a você mesmo.

Você é daqueles indivíduos que possuem poder de empolgar numa conversa ou fazer os outros dormir? É possível você expandir seu repertório para ter uma conversa atraente?

A pessoa especial ao nosso lado, que compartilha os mesmos valores que o seu não basta. Torna-se imperativo que você viva com esta pessoa uma vida interessante, e o início para isto, está nas conversas interessantes.

Se você não tiver um excelente repertório, tipo conversas na manga será muito, mas muito difícil você manter um relacionamento ou conquistar um.

Pergunto-lhe uma coisa: como anda a energia da sua conversa? Vamos fazer um breve teste:

Imagine que conheceu alguém e esta pessoa queira conversar contigo sobre uma série que ela esteja acompanhando. O que você faz?

Consegue desenvolver a conversa, mesmo não tendo visto a série, mas leu o resumo no catálogo da Netflix?

Dá um jeito de mudar o foco da conversa para uma série que você esteja acompanhando?

Ou muda o foco para uma conversa sobre Aristóteles?

Com este simples teste, você percebeu que não basta expandir o seu próprio horizonte, é primordial e formidável conhecer os horizontes do outro.

Quais são os interesses das pessoas a sua volta? Daquela que você tenha interesse? Até mesmo dos seus líderes diretos.

Repita o teste, sempre que se perceber solitário.