Ser polido e elegante não lhe fará ser nobre, mesmo sendo você sociável.

Como é sua conduta baseada no julgamento alheio?

De que adianta você ser elogiado no trabalho, por colegas e superiores, se, em casa, você nem lava os pratos que sujou? Certamente você não é bondoso, agindo dessa forma. Só varre a sua maldade e preguiça para debaixo da vaidade.

Será que é melhor parecer imundo sendo limpo?

Se sua consciência estiver limpa, você servirá melhor, terá melhor interação com os outros e todos sentirão sua energia alegre.

Contudo, se sua consciência estiver suja, inevitavelmente, ela acabará por feder, e, mais cedo ou mais tarde, todos irão se afastar de você.

 

Quais são os vícios que você esconde por baixo de uma aparente virtude? Quais são as atitudes que você deve tomar para tirar essa podridão do seu coração?

 

Errar não irá manchar sua alma. Mas ao contrário, se você tentar esconder o erro para não perder a pose de bom moço.

Qual o preço disso? Uma soma muito grande de maldades e sujeiras no coração.

Uma ótima forma de limpá-lo é oferecendo atos generosos ao próximo.

 

Que tal deixar a sujeira aparecer?

Pense em uma coisa pela qual você vem recebendo elogios. Analise com sinceridade se você é assim com todos. Desde sua família até o mendigo e em todas as situações.

Reflita se você tem a virtude pela qual tanto o elogiam.

Uma esmola ao mendigo que você recusa só porque você tem certeza de que ele tomará uma pinga…

Você, com pressa, percebe que alguém precisa de ajuda para juntar itens de uma sacola que arrebentou…

O superchato da empresa que vem desabafar com você num café e você o ignora…

 

Está na hora de você mudar sua vida, iniciar uma nova página em branco. Está na hora de você escrever uma história virtuosa.

Ajudando os outros, a cada dia você se tornará mais limpo.


Juliano Gazola é fundador da Bioliderança® no Brasil, business executive coach, reprogramador biológico

Siga minha página no Instagram @jggazola