O secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, deu posse esta semana à nova diretoria da Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná). O médico-veterinário Otamir Cesar Martins assumiu a presidência, em substituição ao também veterinário Inácio Afonso Kroetz, que dirigiu a empresa desde 2011, quando foi criada.

Como empresa pública, a Adapar tem um papel essencial em garantir a sanidade e qualidade de cargas de alimentos e produtos enviados a qualquer lugar do mundo. Segundo Ortigara, o mote deste ano será trabalhar o novo status de Paraná livre de febre aftosa sem vacinação.

Ortigara disse que a nova diretoria assume com esse processo em andamento e tem como desafio atingir as metas estabelecidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para concluir as tarefas que são necessárias. “O desafio da empresa é não baixar a guarda e trabalhar sempre com métodos e ferramentas novas para fazer uma boa vigilância e proteger contra as ameaças de doenças e pragas”, disse.

Perigos

Ele citou entre as ameaças que exigem vigilância constante a proteção contra a influenza aviária e contra a ferrugem da soja.

O secretário também enfatizou a necessidade de a empresa trabalhar com novas ferramentas e avançar na estratégia de fazer uma vigilância de forma preventiva e entregar os resultados para a sociedade.

Educação Sanitária

O diretor-presidente da Adapar, Otamir Cesar Martins, afirmou que assume o comando da empresa com o compromisso de buscar de forma incessante a transparência em todos os atos e ações da Adapar. “Vamos também trabalhar com ênfase a educação sanitária para que produtores e agroindústrias não repitam os mesmos problemas, sempre”, disse.

“Também vamos trabalhar para a criação de um ambiente favorável aos negócios, com agilidade suficiente para que o empreendedor possa investir seu capital e ter os trâmites liberados o mais rápido possível”, afirmou Martins.

Governador descarta extinção do Iapar

O governador Ratinho Junior afirmou esta semana que o Iapar (Instituto Agronômico do Paraná) não será extinto. “O Iapar é um órgão importante e um patrimônio do Paraná. Nunca se cogitou acabar o Iapar”, disse Ratinho Junior, em reunião com representantes do setor produtivo de Londrina e região, no Palácio Iguaçu, em Curitiba.

O Iapar será unificado com o Emater (Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural), a Codapar (Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná) e o CPRA (Centro Paranaense de Referência em Agroecologia).

A unificação reduzirá custos administrativos das autarquias, mas os profissionais do Iapar vão continuar: “São essenciais para dar continuidade ao projeto do governo. Não vamos dispensar profissionais, doutor ou mestre. Simplesmente não tem nem lógica”.

Para o presidente do Conselho da Sociedade Rural do Paraná, Afrânio Eduardo Rossi Brandão, a conversa com o governador deixou o setor produtivo de Londrina mais tranquilo. “Tudo o que for feito para diminuir gastos no Paraná e o custo administrativo será favorável para toda sociedade”, disse.

Outras fusões

Além da fusão das autarquias da agricultura, haverá também unificação de autarquias correspondentes, como o Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná (ITCG) e o Instituto das Águas do Paraná, que pertencem à Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos.