Se você aos 10,12 anos de idade não desenvolveu um aplicativo ou sistema revolucionário; se você não compôs uma música digna de Beethoven; você não fez 7 dígitos em 7 dias como está na moda hoje em dia; mas, na sua infância quase reprovou em um ou duas matérias na escola.

Vamos nos alegrar, se você é daqueles que quase reprovou em alguma matéria na escola, isto não deixa de ser uma ótima notícia.

É possível olhar ou alegrar-se quando percebemos que não tempos talento algum? O talento é um negócio raro, por vezes supervalorizado. É grande a chance de eu e você não termos um talento acima da média em alguma coisa. Se aos 12 anos de idade você não tropeçou em algum talento maravilhoso, talvez aos 30 ele também não apareça.

Isto pode ser uma excelente notícia para você, de fato, pois isto nos mostra que ainda é possível que você possa adquirir novas habilidades. Não ter herdado desde o nascimento poderá ser conquistado, desenvolvido com muita paciência e constância.

Esta palavra, de origem no latim, constantĭa que significa qualidade, estado ou natureza daquilo que é constante; duração, persistência e obstinação me faz lembrar de um conselho, que me foi presenteado há mais de 10 anos atrás.

Que eu, de verdade preciso, ter uma constância de propósito. Ainda que o tenha despertado com 30, 40 ou com 50 anos de idade.

As habilidades aprendidas recompensam através de excelentes resultados, mas também nos alegram com honra e virtude, por isso, se não formos constantes, não teremos evidências robustas, para que sigamos firmes.

Quando não se possui consistência, nem todo talento do mundo nos ajuda. Mostrar ao que viemos neste mundo de vez em quando, nos coloca em posição anos luzes de objetivos sejam simples e modestos ou refinados e faraônicos.

Esperteza nossa admitir sermos comuns como pessoa e focados em conquistar objetivos pelo esforço constante.

Vou lhe perguntar: você aposta seu futuro num suposto talento ou no esforço constante? Você costuma deixar suas metas pela metade?

Não caiu do céu, pelo menos na grande maioria da humanidade, um super talento. Contudo, isto não nos sentencia ao fracasso, logo, ergamos a cabeça, reconhecer nossa falta de talento nos obriga a adquirir habilidades e virtudes pela constância.

Você é uma pessoa constante? Em cursos, casamento, maternidade, esportes?

Hoje, é dia em que você deve olhar para a última meta que você resolveu cumprir, ainda que não pareça tão excitante assim. Qual foi a meta que você abandonou recentemente?

É o momento de voltar a cumpri-la. Examine sua consciência todos os dias da semana e descubra em que ponto você tropeçou e faça caminhos diferentes.