Brasília – O presidente Michel Temer sancionou ontem o Rota 2030, audacioso programa que visa impulsionar a indústria automobilística brasileira. Relator do projeto na Câmara, o deputado Alfredo Kaefer (PP-PR) comemorou a sanção, mesmo com alguns dos itens vetados: “Nos damos por satisfeitos com a sanção, porque ele [Temer] não fez veto que desfigurasse a estrutura principal do Rota 2030, ou seja, os incentivos proporcionados pelo projeto que colocamos de investimentos em pesquisa e desenvolvimento, incentivo à inovação, redução de emissão de poluentes, economia, carros elétricos, tudo isso foi mantido”.

Kaefer lembra que no projeto original não havia sido colocado o incentivo do carro híbrido flex genuinamente nacional, ou seja, carro elétrico com combustível etanol, que foi incluído no projeto e acabou sendo aprovado. “Isso é extremamente positivo”.

Para o deputado, o Rota 2030 é um marco divisor da indústria automobilística.

“Vai tornar o setor competitivo, estimulante… é benéfico porque todas as vantagens concedidas são em benefício do consumidor e da sociedade. Além dos R$ 10 bilhões de investimentos em pesquisa e desenvolvimento, haverá uma série de investimentos que a indústria automotiva estava esperando para fazer só aguardando a sanção do projeto. Nós estimamos que em 2019 e em 2020, com o lançamento de novos vários produtos que serão feitos, teremos investimentos de R$ 30 bilhões a 40 bilhões no setor, o que significa geração de emprego e renda”.

O deputado, que termina agora seu mandato, se disse extremamente satisfeito porque cumpriu mais uma missão parlamentar que é benéfica para a sociedade brasileira.

“Isso, sim, é dever e obrigação do parlamentar. Como disse o apóstolo São Paulo, ‘combatemos o bom combate, cumprimos a nossa missão e mantemos a nossa fé’”.