Curitiba – O grupo que investiga a circulação da variante delta no Paraná completou nessa quinta-feira (15) sete dias de trabalho. Nesse período, foram compilados e amplificados dados sobre os sete casos confirmados até a quarta (14) para definir o grau da transmissão da variante no Estado, além da realização de entrevistas de campo com as redes de contato primária, secundária e até terciária.

Há expectativa da divulgação de um relatório detalhado ao fim do trabalho. Só então será possível identificar transmissão comunitária (impossibilidade de confirmar a origem do vírus), segundo recomendação do Ministério da Saúde. As prefeituras também estão trabalhando para isolar os suspeitos.

As equipes do EpiSUS (Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do Sistema Único de Saúde) montaram duas frentes de investigação no Paraná: uma em Londrina e outra em Francisco Beltrão. Os técnicos estão apurando os confirmados de Apucarana, Rolândia, Mandaguari e Francisco Beltrão. O Paraná teve oito casos confirmados até agora, dos quais quatro morreram.

A investigação envolve servidores do Ministério da Saúde, Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde, as vigilâncias dos municípios que apresentam casos confirmados e o Lacen (Laboratório Central do Estado).