As doses de esperança, como as vacinas da covid-19 foram chamadas nas redes sociais, trazem a expectativa da diminuição do contágio do vírus, de que possamos tirar as máscaras e abraçar aqueles que tanto amamos. Mas não é tão simples, mesmo com a vacina, a máscara, o distanciamento social, e o álcool em gel, continuam sendo aliados nessa luta contra a Covid-19. “Nenhuma vacina impede de contrair a doença, mas sim, caso a pessoa seja exposta ao vírus, se vacinada, ela pode não ter sintomas graves, e então se recuperar sem complicações. Ou seja, a vacina é segura e eficaz, mas os cuidados básicos continuam sendo essenciais para não contaminar outras pessoas, principalmente nesse momento em que a taxa de vacinação da população não é muito alta”, explica o docente do curso de Farmácia da Unioeste (Universidade Estadual do Oeste do Paraná), e especialista em virologia do HUOP (Hospital Universitário do Oeste do Paraná), Alex Sandro Jorge.

De acordo com o especialista, o tão esperado desejo de tirar a máscara ainda não será possível nesse momento, pelo menos até que grande parte da população esteja vacinada. “Isso porque mesmo com as duas doses da vacina, devido a possibilidade de circulação de novas variantes da doença, a pessoa pode ser infectada e ser transmissora, e a máscara, é indispensável para o cuidado com o próximo”, ressalta. “As máscaras são utilizadas há muitos anos nos serviços de saúde, e ela é uma barreira essencial para evitar qualquer infecção por vírus, não apenas a covid-19”, avalia.

E por isso, é importante lembrar sobre uso correto desse item que se tornou parte da nossa rotina. Há pelo menos três tipos:

– Máscara de tecido: deve ser utilizada por toda a comunidade em ambientes fechados ou abertos; é importante estar atento, pois estas devem possuir três camadas;

– Máscara cirúrgica: utilizada por profissionais de saúde que atendem pacientes sem suspeita de covid-19 a menos de um metro de distância;

– Máscara N95: utilizada por profissionais de saúde que atendem pacientes com suspeita ou confirmação de covid-19.

É necessário ficar atento ao distanciamento social de pelo menos 1,5 metro para minimizar o risco de infecção; além disso, a higienização das mãos é indispensável. “O preferencial é lavar com água e sabão, mas se não for possível, em locais públicos é importante estar carregando o álcool em gel”, ressalta.

PROFISSIONAL DE SAÚDE DO HUOP

Já tomou a vacina, teve contato com pessoas que estão contaminadas e está assintomático? Se isole momentaneamente de modo imediato. O profissional de saúde do Huop ainda deve comunicar o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (Sesmt), onde receberá as instruções repassadas pela equipe que está seguindo didaticamente a Nota Orientativa nº 43/2020 – SESA PR.

Ao profissional de saúde, o Sesmt ainda alerta que o cuidado deve ser contínuo. “É questão de consciência, respeito e proteção ao próximo que a máscara e as medidas de proteção contra o vírus devem-se manter obrigatórias. Enquanto profissionais de saúde, estamos todos em contato direto com muitas pessoas que ainda não puderam se beneficiar das duas doses da vacina e na posição de profissionais, nós só podemos tirar a máscara quando tivermos um impacto da vacinação sobre a circulação do vírus. Por isso, é importante estar atento, manter os cuidados e em qualquer situação de possível contaminação, informar o SESMT”, finaliza a psicóloga e coordenadora do SESMT do Huop, Mônica Stelmach.