Representantes da Prefeitura de Foz do Iguaçu, Instituto de Transportes e Trânsito (Foztrans), Consórcio Sorriso e do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviários (SITROFI) voltaram a debater, em reunião on-line nesta quinta-feira (02), mudanças e melhorias para o transporte coletivo do município.

Essa foi a terceira reunião do grupo, criado por orientação do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região para debater a rescisão do contrato do transporte coletivo de forma antecipada e um novo modelo de pagamento da tarifa pública por quilômetro rodado. A forma proposta visa garantir os pagamentos dos trabalhadores até que um novo processo licitatório seja concluído.

De acordo com o secretário da Transparência e Governança, José Elias Castro Gomes, mediador do grupo de trabalho, o debate tem avançado devido ao compromisso e aos esforços de todos os envolvidos. “Fizemos uma minuta com as propostas, recebemos a devolutiva do consórcio e na próxima segunda feira (06) partimos para um prazo final de negociação”, disse. “Seguimos nos reunindo e buscando um consenso para a melhoria do transporte público, existe uma união de esforços para que isso aconteça”, garantiu.

O diretor superintendente do Foztrans, Licério Santos, afirmou que os encontros têm dado maior transparência ao processo e mostram, especialmente para a população, que o município tem se empenhado na busca pela garantia de direitos dos usuários.

“Vários pontos que ainda estavam divergentes, sobre a proposta de antecipação de encerramento de contrato e a mudança na forma de remuneração, puderam ser esclarecidos. Com o que foi acordado hoje, acreditamos que o Consórcio vá acatar nossa proposta e com isso a gente consiga fazer a antecipação do contrato e melhorar o atendimento do transporte público”, ressaltou Santos.

Durante a reunião, o presidente do Sitrofi, Dilto Vitorassi voltou a cobrar das empresas a renovação dos acordos trabalhistas 2020/2021 e 2021/2022 com reposição salarial de 11% e reescalonamento da dívida com cestas básicas e salários atrasados até maio do próximo ano.

A categoria também alega não estar recebendo o salário integral no quinto dia útil. “Dado ao fato de não termos renovado os últimos acordos, temos que pedir ao Tribunal Regional do Trabalho que julgue os dois dissídios para sanar o problema”, comentou. Segundo ele, os trabalhadores do transporte coletivo podem deflagrar greve, caso a negociação não avance.

Os empresários que representam o Consórcio Sorriso, Cezar Alamini e Hélio Camilo Marra assumiram o compromisso junto ao TRT para manter em dia pagamento dos trabalhadores. “Temos vontade e interesse que a situação se resolva”, disse Camilo.

O secretário da Transparência e Governança lembrou que todas as propostas elaboradas pelo município, após aprovadas em consenso, seguirão para análise e votação da Câmara de Vereadores e para o Ministério Público, garantindo a transparência do processo.

Presenças

Também participaram da reunião o procurador do município Vitor Hugo Nachtygal; o diretor de gestão da Transparência e Governança, Gustavo Brajak; o diretor de gabinete Jean Mezomo; a Diretora de Desenvolvimento e Transportes Públicos, Enir Becker; a advogada do Sindicato, Soraya Sotto Maior Justus; e o advogado do Consórcio Sorriso Thiago Werner.