Foz registra sétima morte por dengue; Tupãssi tem a primeira vítima

Paraná vive a pior epidemia de dengue da história

A Vigilância Epidemiológica de Foz do Iguaçu confirmou esta semana a sétima morte por dengue no Município. Um paciente de 53 anos, sem comorbidades, deu entrada no sistema de saúde no dia 1º de abril, três dias após apresentar sintomas como febre, diarreia, vômitos, dores no corpo e dor abdominal. Recebeu o tratamento recomendado, mas apresentou piora no quadro e, após uma parada cardiorrespiratória, faleceu.

Quando usar máscara de pano

Em seu pior quadro de epidemia da história, Foz do Iguaçu registra até o momento 24.435 notificações e 13.906 casos confirmados de dengue.

Apesar dos altos números, a semana 20 do ano epidemiológico apresenta queda. A incidência da doença tem diminuído nas últimas semanas. Os casos confirmados nos próximos boletins representam casos leves já curados, e que estavam represados no sistema.

Tupãssi

A Secretária de Saúde de Tupãssi confirmou o primeiro óbito com causa básica de dengue. O homem de 63 anos estava internado no Hospital Bom Jesus, de Toledo, e faleceu no dia 16 de abril. O caso foi para investigação porque ele tinha outras doenças pré-existentes e no dia 11 de maio a secretaria foi comunicada pela 20ª Regional de Saúde de Toledo que o óbito foi causado pela dengue.

Mosquito da dengue nas áreas externas


Fale com a Redação

dezesseis − 7 =