Reportagem: Cláudia Neis

Foz do Iguaçu – Dados do painel de Recursos e Aquisições do Ministério Público do Paraná, em que constam os valores de repasses federais e estaduais aos municípios para a contenção do novo coronavírus, mostram que, na região oeste, os valores destinados ao enfrentamento da pandemia já são 30% maiores que o montante repassado.

Três dos 50 municípios não constam os gastos (Maripá, Lindoeste e Vera Cruz do Oeste) no controle. Desconsiderando-os, os demais receberam o total de R$ 69.882.565,15, mas os gastos já somam R$ 91.074.209,10, uma diferença de R$ 21.191.643,95 arcada pelos municípios.

Mas nem todos gastaram mais do que recebeu. Isso aconteceu com 12 prefeituras, com destaque para Foz do Iguaçu, que mais investiu no combate à pandemia até agora. A Terra das Cataratas aplicou R$ 44.820.486,53, valor 136,6% maior que o que foi recebeu do Estado e da União, uma diferença de R$ 25,877 milhões que saíram dos cofres municipais para complementar as despesas.

Nesse caso, os maiores investimentos foram em infraestrutura, no valor de R$ 35.291.885,29. Somente no Hospital Municipal, referência para o tratamento da doença, o Município abriu 40 novos leitos de UTI e duas novas ala, uma de doenças infecciosas e outra de cuidados especiais, e reformou o Pronto-Socorro. Em gêneros alimentícios foram gastos mais R$ 6 milhões e, em equipamentos hospitalares, outros R$ 1,239 milhão.

Cascavel é o segundo no ranking de investimentos. Foram R$ 9.764.122,86 gastos até o momento, 6,64% a mais do que recebeu de ajuda. Os maiores gastos foram em testes rápidos (R$ 4,350 milhões) e em EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), no total de R$ 3.584.373.

Santa Helena aparece na sequência, com R$ 5.604.514,27 investidos, 306,79% a mais do que os repasses recebidos. Somente em infraestrutura foram usados R$ 3.571.580.

Palotina gastou R$ 4.371.887,91 no combate à pandemia, 91,8% a mais do que recebeu. Somente em EPIs foram usados R$ 3.131.451.

Ainda entre os que mais investiram contra a covid-19 estão São Miguel do Iguaçu, com R$ 3.868.182,60 (95,73% a mais que o repassado), Marechal Cândido Rondon, com R$ 3.764.070,95 (94,53% a mais) e Corbélia, com R$ 2.896.198,85 (92,95% a mais).

Menos investiram

Na outra ponta da tabela, estão os municípios que menos tiveram despesas no combate à pandemia. Jesuítas, usou R$ 7.125, o que corresponde a 1,33% do total recebido; Ramilândia gastou R$ 4.800 (1,41% do total); Nova Aurora investiu R$ 27.810,44 (3,32% do valore repassado) e, Campo Bonito, R$ 14.700 (3,71% dos repasses). A maioria dos gastos se refere à compra de EPIs, alimentação ou compra de cestas básicas e contratação de profissionais de saúde.

Monitoramento

A ferramenta criada pelo Ministério Público permite o acompanhamento e a fiscalização de licitações, contratações diretas, empenhos e fontes de receita utilizadas pelos municípios em ações de enfrentamento à covid-19. O painel é gerenciado pela equipe de Proteção ao Patrimônio Público e à Ordem Tributária e é atualizado semanalmente com informações do banco de dados da Controladoria-Geral da União, do Tribunal de Contas do Estado e da Secretaria da Saúde do Paraná.

Paraná

Nos 399 municípios do Estado, foram investidos R$ 419.311.551,69 no combate à pandemia do novo coronavírus, 41,8% do total de R$ 1.002.562.923,94 que foram transferidos às prefeituras destinados a esse fim.

Em valores absolutos, os municípios que mais investiram foram: Curitiba (R$ 80.224.344,27), Foz do Iguaçu (R$ 44.820.486,53) e Londrina (R$ 41.437.277,07).

Veja abaixo todos os valores da região: