ELEIÇÕES: PSDB quer candidaturas fortes e novas lideranças no Paraná

“Essa será uma eleição diferente devido a reforma política e o PSDB já está se organizando para oferecer as melhores condições e estrutura aos diretórios municipais ", diz o deputado Paulo Litro  

O presidente do PSDB-PR, deputado Paulo Litro, iniciou em julho uma série de encontros em todo o estado para reativar diretórios e provisórias municipais do partido e debater com lideranças locais sobre as eleições de 2020. De acordo com o tucano, o objetivo é contar com candidaturas no maior número de municípios e, especialmente, apresentar propostas que venham de encontro com as demandas e realidade de cada região.

“Essa será uma eleição diferente devido a reforma política e o PSDB já está se organizando para oferecer as melhores condições e estrutura para que os diretórios municipais construam chapas fortes, com pluralidade e representatividade”, disse Paulo Litro.

Com um diretório estadual mais atuante e disposto a fomentar novos nomes, o PSDB tem atraído diversas lideranças que se colocaram à disposição para concorrer ao executivo, como foram os casos do agricultor José Carlos Laurani, em Campo Mourão, e dos empresários Kiko D’Agostini, em Matelândia, e Evandro Oliveira, em Maringá.

Em Curitiba o PSDB trabalha para manter a parceria entre o prefeito Rafael Greca (DEM) e o vice-prefeito Eduardo Pimentel, que resultou em grandes avanços para a capital paranaense. Caso isso não ocorra, o partido estudará a possibilidade de lançar candidatura própria no município.

Reeleição
Outra prioridade do PSDB é a continuidade do bom trabalho de prefeitos que podem disputar a reeleição, como são os casos de Cléber Fontana, em Francisco Beltrão; Jorge Derbli, em Irati; Amin Hannouche, em Cornélio Procópio, entre outros.

“Possuímos um quadro de prefeitos muito qualificado e que apresentam resultados positivos nos municípios. Teremos uma atenção especial para que tenham todo o apoio para dar continuidade a esse trabalho”, afirmou o presidente do PSDB-PR.

Legislativo
De acordo com Paulo Litro, o fim da coligação para eleições proporcionais exigirá que os partidos tenham quadros amplos e atuantes nas comunidades. Nesse cenário, destacou que é preciso cada vez mais abrir espaço para mulheres e novas lideranças, bem como manter um diálogo constante com a população para orientar a construção de propostas e projetos.

“A democracia exige que tenhamos uma participação mais efetiva da mulher na política, trazendo uma nova abordagem e maior pluralidade de ideias. Queremos e seremos um partido diferente, que trabalha para viabilizar novas lideranças e que apresenta propostas construídas em conjunto com as comunidades”, ressaltou o tucano.

Da redacão ADI – Curitiba – Pr

Leia outras entrevistas: 


Fale com a Redação

dezenove − 17 =