Bomba, bomba!

A exoneração do diretor legislativo da Câmara de Cascavel, Mário Galavotti, caiu como uma bomba e pegou todos de surpresa. A presidência da Câmara não se manifestou sobre o assunto, o que rendeu toda sorte de especulação pelos corredores. Uma delas, é que o presidente Alécio Espínola viajou para Curitiba e deixou a exoneração assinada e coube ao RH avisar Galavotti. Na bolsa de apostas, o motivo seria por Galavotti ter colocado em pauta a moção de repúdio ao governo do Paraná um dia depois de o governador Ratinho Junior ter estado em Cascavel. Após muita discussão, a moção foi aprovada por 12 votos a sete, na sessão de terça. Ela trata da falta de reajuste salarial ao funcionalismo estadual.

Bomba II

No cargo há mais de 28 anos, Galavoti é tido por muitos uma “bomba-relógio”, com muita informação incendiária. Nada feliz, ele assinou a exoneração pela manhã, mas à tarde continuava trabalhando na Câmara, onde, por sinal, ninguém sabia de nada nem falava nada (abertamente). Ainda se especulava que Alécio poderia mudar de ideia.