Publicidade

ESPORTES

Cicinho e Muricy ?ajudam? Peixe a quitar um mês de salários atrasados

18 de julho de 2015 às 11:53
Publicidade

Santos – O Santos enfrenta sérios problemas financeiros desde meados de 2014, quando acumulou atrasos salariais e perdeu via Justiça quatro jogadores: Aranha, Mena, Arouca e Leandro Damião.

Após a saída do presidente Odílio Rodrigues, Modesto Roma Júnior conseguiu colocar os pagamentos em dia no início do mandato, mas a situação novamente se complicou.

Com medo de atingir três meses sem pagar, o clube contou com “ajudas” excêntricas para quitar um de dois meses que já estavam em atraso na carteira de trabalho do grupo de jogadores.

O primeiro valor que caiu na conta do Santos foram os 900 mil euros – R$ 3,1 milhões – da venda dos direitos do lateral-direito Cicinho ao Ludogorets, da Bulgária. Depois, a Justiça brasileira desbloqueou mais R$ 1,3 milhão que estavam indisponíveis para o clube em razão da ação de penhora realizada pelo técnico Muricy Ramalho, comandante do Peixe entre 2011 e 2013.

O Santos receberia normalmente os R$ 3 milhões de premiação pagos pela Federação Paulista de Futebol ao campeão estadual de 2015, mas uma ação dos advogados de Muricy “prendeu” R$ 1,3 milhão, valor que foi depositado em juízo.

A liminar que bloqueava o valor, no entanto, foi suspensa na última semana por conta de uma alegação do Santos acatada pela Justiça: “a penhora dos créditos impede o clube de honrar com o pagamento de verbas de natureza alimentar”, ou seja, sem esse dinheiro é impossível pagar os salários dos jogadores.

Com recursos provenientes dessas duas fontes, o Santos quitou as premiações pelo título do Campeonato Paulista e o ordenado de maio dos jogadores. Resta, porém, mais um mês de salários e dois de direitos de imagem em aberto.

(Com informações do Lance!)

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE