Com intensa atuação na Comissão Permanente de Cultura e Desporto, o vereador Carlinhos Oliveira (PSC) pretende permanecer com as reivindicações ao setor. Após embate polêmico sobre a terceirização do estádio, do autódromo e do kartódromo, Carlinhos apresenta como meta a cobrança para que as escolas municipais tenham também educadores físicos para auxiliar nas aulas. A lei foi aprovada em 2006, de autoria do presidente da Fundação de Cultura e Esporte, Léo Mion, e do ex-vereador Fernando “Bacana” Dias Lima, mas nunca foi cumprida.

Nesta segunda metade do mandato, Oliveira – que é empresário imobiliário, formado em Educação Física – será secretário na Comissão de Desporto e presidente da Comissão de Educação.

HojeNews – Qual seu posicionamento sobre a terceirização dos espaços públicos?

Carlinhos – Acreditamos que a decisão do Executivo municipal vai impactar em aumento do orçamento. Defendemos a terceirização dos espaços, pois o poder público não tem condições de manter essas estruturas. A iniciativa privada tem condições de fazer novos investimentos e também trazer renda ao Município.

HojeNews – Que projeto será defendido a partir de agora?

Carlinhos – Teremos como bandeira a presença do educador físico no ensino fundamental. Tivemos conversas com a Secretaria de Educação para que possamos implantar, tendo em vista os benefícios da educação física desde a formação motora e psíquica. Hoje a ação é desenvolvida por pedagogos ou formados em magistério. A educação física não foi esquecida, reconhecemos o esforço. Mas, se tivesse um educador físico, o aproveitamento seria melhor. Toledo, Foz do Iguaçu, Ponta Grossa e até Corbélia cumprem a lei. Toledo tem quase 80 educadores físicos. Cascavel, se tiver 15, é muito.

HojeNews – Qual será sua postura neste ano?

Carlinhos – Voto conforme a coerência, o que é legal. Entendo que o Executivo tem que administrar as obras e atender as necessidades da população. Nem sempre a atitude é compreendida por todos, mas nossa ação será sempre pela coerência – independente de base ou oposição. O que precisarmos questionar, assim o faremos. Se concordarmos, vamos avançar na conversa.

HojeNews – Quais pontos devem ser destacados no seu mandato?

Carlinhos – Tivemos avanços na educação, como a não terceirização dos alimentos para as crianças nas escolas, que foi um trabalho da Comissão de Educação. Batalhamos para que não ocorresse. Avanços no trabalho na comunidade, com várias participações em reuniões nos bairros da zona norte. Na educação tivemos o projeto contra a evasão escolar, uma referência nacional, pelo qual teremos um censo e acompanhamento das crianças que estiverem fora da escola, desde o pré até o Ensino Médio. Criamos também a Medalha Darci Israel, que tem cunho cultural de valorizar e reconhecer os artistas de Cascavel.

HojeNews – Eleito pela região norte de Cascavel, que obras serão cobradas?

Carlinhos – Estamos na expectativa com a construção da Escola da Transparência – bandeira levantada por nós e pelo prefeito Leonaldo Paranhos – e também com a reforma da Escola Anibal Lopes. Na saúde, esperamos a construção das UBS do Los Angeles, do Floresta e do Tarumã – iniciativas nossas. Mantemos as cobranças da casa mortuária. Além de revitalização de espaços públicos e de três avenidas. Mantemos a cobrança do EcoPark Norte – era um projeto do BID [Banco Interamericano de Desenvolvimento] e infelizmente foi cortado.

HojeNews – E a postura esperada do novo presidente Alécio Espínola?

Carlinhos – Esperamos que o presidente tenha como critério trabalhar em prol do povo. A Casa tem que ser homogênea – sem vínculos com o Executivo… ser independente. Se não for assim, o Legislativo vira Executivo.