AGRONEGÓCIO

Adapar e Ministério da Agricultura monitoram praga que provoca perdas do milho no Paraná

02 de maio de 2022 às 11:22
29/07/2021 - Milho em Cascavel Foto Gilson Abreu/AEN
Publicidade

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), em parceria com o Ministério da Agricultura, está fazendo o monitoramento de uma das pragas que provocam grandes perdas na cultura do milho: o enfezamento. O objetivo é compreender melhor o avanço da doença no Estado e fornecer mais informações para que a pesquisa possa orientar os produtores rurais quanto ao manejo correto do problema fitossanitário, reduzindo assim o uso de inseticidas para o controle do inseto vetor, a cigarrinha Dalbulus maidis.

O trabalho conta com uma primeira etapa que consiste no levantamento da ocorrência do vetor do enfezamento, e uma segunda, que é a coleta das folhas do milho. Os materiais serão analisados em laboratório visando identificar a presença ou não dos complexos dos enfezamentos, além de viroses associadas à cultura.

A cultura do milho tem importância econômica para o Paraná, representando 14,8% da produção nacional na atual safra – 2021/22. A área cultivada em primeira e segunda safra está próxima a 3 milhões de hectares. O milho ainda representa o segundo produto vegetal em Valor Bruto de Produção no Estado, destacando-se como um importante item na pauta de exportações, com vendas externas de U$$ 183,16 milhões.

Porém, os desafios têm sido diversos nos últimos anos. Um deles é a estiagem, que prejudicou o desenvolvimento da primeira safra da cultura, semeada nos meses de setembro e outubro de 2021. Já a atual, chamada de segunda safra, que é a maior em área plantada e produção, tem contado com condições climáticas mais favoráveis ao desenvolvimento. Entretanto, o ataque das pragas, em especial a cigarrinha, pode se tornar um fator limitante para a quantidade e a qualidade da produção dessa cultura.

A Adapar, por meio do Sistema de Monitoramento do Comércio e Uso de Agrotóxicos do Estado do Paraná (Siagro), acompanha o uso de agrotóxicos ao longo do desenvolvimento da cultura nos últimos anos e os números são alarmantes quando se trata de inseticidas utilizados para o manejo da cigarrinha do milho. O crescimento é vertiginoso, tanto no que se refere ao volume total consumido no Estado, bem como as dosagens.

Comparando-se as safras 19/20, 20/21 e 21/22, as doses nos cultivos de primeira safra saltaram de 0,019 litro por hectare (l/Ha), para 0,136 e 0,907, respectivamente. Já na segunda safra, subiram de 0,144 para 0,351 l/Ha, mas ainda existe expectativa e preocupação quanto ao aumento dos números. É nesta safra que normalmente se tem uso mais intensivo dos inseticidas, visto que há maior pressão da praga, decorrente sobretudo da migração dos insetos das lavouras cultivadas na primeira safra, além da interferência das condições climáticas.

CENÁRIO – O trabalho de monitoramento desenvolvido pela Adapar, em parceria com o Ministério da Agricultura, também se torna importante diante do cenário de aumento no uso de inseticidas para o controle da cigarrinha, sem que a pesquisa tenha fornecido respostas adequadas quanto à eficiência desse tratamento.

AEN

Participe do nosso grupo no WhatsApp

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE