A Câmara de Vereadores aprovou ontem moção de repúdio ao governo do Estado do Paraná por não prever, pelo sétimo ano consecutivo, a reposição salarial dos servidores na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias). A proposição foi assinada pelos vereadores Professora Liliam (PT), Policial Madril (PSC), Professor Santello (PTB) e Soldado Jeferson (PV) e rendeu bastante discussão.

O que chama a atenção é que a votação (e a discussão) ocorreu um dia depois de o governador Ratinho Junior estar em Cascavel, em carne e osso, e nenhum vereador aproveitou a oportunidade para defender a demanda direto com ele.

Para o vereador Romulo Quintino, a moção “é um instrumento extremamente violento e forte”. Aproveitando a pauta, Madril pediu para que o prefeito Leonaldo Paranhos pagasse a data-base dos servidores municipais.

Vice-líder de Governo, Valdecir Alcantara saiu em defesa do governador e pediu para que os vereadores da base votassem contra a moção. Além disso, pediu “coerência e paciência” aos servidores até que amenize os efeitos da pandemia.

O vereador Sidnei Mazutti disse que “não tem como ir contra o governo do Estado que tanto tem feito por Cascavel” e que a população “precisa ter o entendimento dos motivos” de não serem reajustados os salários.

Madril reagiu: “A gente tem que deixar bem claro, começar a dividir o joio do trigo. Esses vereadores que querem votar contra essa moção, votem, mas quando vem um policial militar, quando vem um servidor público, vocês estão achando que eles são idiotas, que não estão vendo quem está votando aqui? Quando pedir a força da polícia diz que votou contra a moção, contra a data-base para ser bem atendido”.

O congelamento dos salários vem do Governo Beto Richa. Em 2019, o governo propôs reajuste de 5,08% parcelado em três vezes. Em janeiro de 2020 foram pagos 2%, mas as outras duas parcelas de 1,5% estavam previstas para serem pagas em janeiro de 2021 e janeiro de 2022 e foram suspensas após determinação do governador.

A LDO para 2022 foi aprovada pela Assembleia Legislativa sem a previsão de reajuste dos salários, assim como a concessão de promoções e progressões.

O vereador Madril defendeu a moção: “Nós somos funcionários públicos estaduais e estamos sentindo na pele o que são sete anos sem a data-base. É por isso que nós lutamos e é por isso também que estamos lutando aqui, junto à nossa Mesa Diretora, para que pague a data-base dos servidores da Câmara, porque eles têm esse direito. E também o prefeito, que pague a data-base dos servidores do Município”.

No fim, a moção foi aprovada por 12 votos a 7. Votaram a favor: Beth Leal, Celso Dal Molin, Cleverson Sibulski, Dr. Lauri, Edson Souza, Emerson Vilanova, Melo, Policial Madril, Professora Liliam, Soldado Jeferson, Serginho Ribeiro e Tiago Almeida. Votaram contra: Cabral, Cidão da Telepar, Josias de Souza, Mazutti, Romulo Quintino, Sadi Kisiel  e Valdecir Alcântara.