Tóquio – A cerimônia de abertura da Olimpíada, na sexta-feira, dia 23, às 23h do Japão (8h de Brasília), no Estádio Olímpico de Tóquio, haverá alguns minutos de homenagem aos atletas que passaram parte da pandemia do novo coronavírus treinando em seus respectivos lares.

A tradicional festa de abertura dos Jogos Olímpicos vai ser reduzida neste ano. O desfile das delegações não terá dezenas de atletas representando cada país. O Comitê Organizador permitiu que os países tenham dois atletas como porta-bandeira, desde que seja um homem e uma mulher. O Brasil ainda não divulgou quantos atletas levará ao Estádio Olímpico na abertura nem quem serão os escolhidos para carregar a bandeira. E não haverá torcida na cerimônia.

COB finaliza delegação brasileira

O Comitê Olímpico do Brasil anunciou ontem os números finais da delegação brasileira em Tóquio. Serão 301 atletas e 18 substitutos, número diferente do divulgado anteriormente. De acordo com o COB, a justificativa é que esses atletas substitutos só vão se tornar olímpicos no momento que fizerem parte da disputa.

Dos 301 atletas, serão 161 homens e 140 mulheres.

De acordo com Marco Antônio La Porta, vice-presidente do COB e chefe de missão em Tóquio, os atletas substitutos poderão ser acionados em caso de necessidade. Handebol, futebol, tênis de mesa, atletismo e hipismo serão os esportes que terão esses atletas alternativos em Tóquio.