Cascavel – Jovens empresários de cidades da região participaram na noite de sexta-feira, no anfiteatro da Unipar, em Cascavel, do Painel Internacional de Política e Economia. O tema foi Poder, populismo e corrupção. O foco das apresentações, em formato talk show, foi o avanço e a disseminação das novas tecnologias como ferramenta de integração social e contra o controle de governos autoritários. O evento foi organizado pelo Liberty and Innovation Marathon Brazil em parceria com Faciap Jovem, Caciopar Jovem e Conselho do Jovem Empreendedor da Acic.

O deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSDB) falou sobre semelhanças e diferenças dos impedimentos dos presidentes Fernando Collor de Mello, no início da década de 1990, e agora, de Dilma Rousseff. Ele lembrou que há 25 anos, a mobilização foi liderada por sindicatos e instituições que hoje dão sustentação ao PT, a Lula e a Dilma Rousseff. E que, por isso mesmo, não foram esses que iniciaram as mobilizações recentes contra os excessos de um partido com foco puramente ideológico. “As convocações e sensibilizações ocorrem pelas redes sociais, por isso estruturas como sindicatos passam a ser obsoletas no contexto contemporâneo”, afirma o parlamentar.

A tecnologia é mesmo um caminho fértil para o fim do populismo, afirmou o doutor em Filosofia pela John Hopkins University, o norte-americano Jason Kuznicki. Ele fez menções a Platão e à cidade ideal, o berço do liberalismo. E dos avanços, principalmente nos séculos 18 e 19, que mostram que tentar transformar a utopia em vida real não é tão simples e fica inume a inúmeros problemas. O doutor em Economia pela George Mason University, Mark Calabria, citou a liberdade política como instrumento para uma vida mais democrática e próspera. “Um sistema livre, com o governo se limitando a questões essenciais, é fundamental para estabelecer a confiança como moeda para a atração de investimentos e para o fortalecimento econômico”.