Ninguém tem que deixar o foguetório de lado na hora de festejar. A promessa é dos vereadores Serginho Ribeiro (PPL) e Policial Madril (PMB), que querem regulamentar o uso e não permitir que o barulho dos explosivos prejudique pessoas sensíveis como autista, idosos e crianças em Cascavel. De quebra, a medida ainda protegeria cães e gatos. Muitos animais fogem, provocam acidentes e até ficam doentes.

Tudo isso foi debatido na manhã de ontem na audiência pública realizada no plenário do Legislativo Municipal de Cascavel.

Participaram convidados como o promotor da Saúde e do Meio Ambiente, Ângelo Mazuchi Ferreira, ao lado do secretário de Meio Ambiente, Romulo Quintino, representando o 4º Grupamento de Bombeiros de Cascavel, major Amarildo Roberto Ribeiro; Fabrício de Melo Marsango, presidente da Comissão de Meio Ambiente da OAB; médico-veterinário Marcelo Morato; Ronivaldo Fagundes dos Santos, empresário do ramo de fogos de artifício e pirotecnia; Jardel Agnaldo Leite, também empresário do ramo de fogos de artifício; Valmor Lemainski, presidente da Associação Pró-Queimados do Oeste do Paraná; Samantha Sitnik, presidente da Associação de Mães de Autistas de Cascavel; Evelyne Paludo, advogada e presidente da ONG Sou Amigo; Laurenice Veloso, presidente da Associação Cidadã de Proteção aos Animais – Acipa; Vitória Grando, presidente do Instituto de Resgate e Proteção Animal – Iirpa; Ilair Detoni e Ana – médico-veterinários do Zoológico de Cascavel; vereadores Parra e Valdecir Alcantara, entre outras autoridades.

Dentre as definições estão a solicitação de avaliações técnicas e Madril e Serginho também conversarão com os setores competentes da prefeitura que fazem a fiscalização e então estarão em condições de propor regras restringindo horário e local onde o estouro será liberado.