Protestos e saques tomam cidades na Venezuela por retirada de notas

VENEZUELA-ECONOMY-CRISIS-CURRENCY-GK431UL7P.1.jpgCARACAS – Protestos e saques ocorreram em ao menos sete estados venezuelanos na sexta-feira, em função da falta de dinheiro em cédulas depois que o governo decretou de repente esta semana que sua maior nota (100 bolívares) seria retirada da circulação. O presidente Nicolás Maduro deu aos venezuelanos alguns dias para abandonar as cédulas, argumentando que a medida era necessária para combater máfias na fronteira com a Colômbia, apesar dos avisos de economistas de que isso poderia gerar caos.

brde2

O prazo máximo da troca da nota de 100 em bancos públicos e privados era quinta-feira, e se estende em apenas duas sedes do Banco Central até a próxima semana. Eram esperadas na quinta-feira cédulas de 500 bolívares para ajudar a combater a inflação e suprir a saída imediata, mas elas ainda não vieram.

Muitos venezuelanos não conseguiram encher seu tanque de carro para ir trabalhar, comprar café da manhã ou obter presentes antes do Natal, relataram testemunhas em várias cidades. Muitos caixas automáticos estavam quebrados ou vazios e as lojas relutavam em serem pagas com as maiores notas.

? Isso é um escárnio ? disse o motorista de ônibus Richard Montilva, que junto a cerca de 400 pessoas bloqueava uma rua fora de um banco na cidade de El Pinal, no estado de Táchira, perto da Colômbia.

A circulação das novas notas “é um mistério para nós também”, disse uma fonte do Banco Central, que pediu anonimato porque não estava autorizado a falar com a mídia.

Seis empresas do estado de Bolívar foram saqueadas na sexta-feira, depois que as lojas se recusaram a aceitar as notas, disse o prefeito de El Callao, Coromoto Lugo, que pertence à oposição.

JK

Receba as principais notícias através do WhatsApp

ENTRAR NO GRUPO

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp. Ao entrar seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.


Fale com a Redação