Projetos terão que ser alterados após empréstimo

Ao todo, serão emprestados US$ 40 milhões que ainda dependem de tramitações

Reportagem: Josimar Bagatoli

O secretário da Casa Civil, Transparência, da Prevenção e Combate à Corrupção de Cascavel, Cletírio Feistler, deixou explícito ontem (8), durante Escola de Governo – reunião entre servidores do Paço Municipal -, que os projetos apresentados para uso dos recursos provenientes do empréstimo internacional do Fonplata (Fundo de Desenvolvimento Financeiro da Bacia do Prata) terão sucessivas alterações.

Isso porque foram elaborados a toque de caixa. Diante da pressa para a garantia da verba e das possíveis falhas a serem constatadas, o apoio dos vereadores foi clamado. “Vamos precisar muito da Câmara. Precisaremos de uma ligação próxima para alterar os projetos. São intervenções na cidade, ruas, parques e melhorias em mobilidade e isso depende do entendimento da Câmara e da prefeitura. Temos que unir forças para melhor solução para o que propomos”, argumenta Feistler.

Ao todo, serão emprestados US$ 40 milhões que ainda dependem de tramitações. Porém, a prefeitura não precisa esperar a autorização para iniciar as licitações. Pode deixar tudo pronto para iniciar as contratações assim que tiver o aval do Senado.

Até o fim do ano, a Câmara de Vereadores deve avaliar se autoriza a obtenção do crédito internacional. Mesmo assim, dependerá de uma autorização do Senado a liberação efetiva do recurso. “Acreditamos que isso não será problema, pois é um procedimento normal. Por obtermos a liberação recebemos até uma ligação do ministro nos parabenizando”, disse o prefeito Leonaldo Paranhos (PSC).

Os recursos serão usados para revitalização da Avenida Carlos Gomes, obras de revitalização da Avenida Brasil desde a Praça Luiz Picolli (Bíblia) sentido FAG e da área da Rodoviária Velha, no Centro, onde Paranhos apontou problemas estruturais em construções antigas que serão fiscalizadas pelo IPC (Instituto de Planejamento de Cascavel).

Fazem parte dos projetos ainda parques ambientais no Bairro Santa Felicidade e Interlagos/Floresta; implantação de 30 quilômetros de ciclofaixas; binários Manaus/Belém e Juscelino Kubitschek/Flamboyant; uma usina de compostagem e o Território Verde no Lago e no Zoológico. Obras que deverão ser executadas em quatro anos.

A sociedade será convocada a participar de audiências públicas para colaborar com as definições dos investimentos. “Passamos pelas três fases. Precisamos debater em Cascavel esse projeto com segmentos organizados. Investimentos que vão nortear nossa cidade nos próximos anos. Queremos uma ampla participação, pois é importante fazer escolhas e decidir: se querem determinado investimento ou não”, afirma Paranhos.

Só a revitalização da Avenida Carlos Gomes deve custar R$ 16 milhões. Se não houver avanço do Fonplata, o prefeito garante que buscará recursos próprios ou parcerias com o Estado para executar a obra. “A obra demandará um planejamento de mobilidade muito mais que estético. Precisamos definir com todos como isso será desenvolvido”, complementa o presidente do IPC, Edson Vasconcelos.

 



Fale com a Redação

15 + sete =