Curitiba – Em recordação à ação policial que deixou quase 200 manifestantes feridos no final de abril, professores estaduais do Paraná ofereceram um bolo ao governador Beto Richa nesta quarta-feira (29), data do seu aniversário, em frente à casa dele, em Curitiba.

“É o ‘desaniversário’ do governador”, diz a diretora da APP Sindicato (que representa os docentes estaduais), Marlei Fernandes.

O dia também marca três meses da ação policial, denominada de “massacre dos professores” pelo sindicato. A categoria, que entrou em greve por duas vezes neste ano contra medidas de ajuste fiscal do Estado, foi a principal atingida no confronto.

Cerca de 50 manifestantes se colocaram em frente à casa do governador, onde serviram um café da manhã. Faixas e um carro de som anunciavam frases de protesto, como “Richa, parabéns por quebrar o Paraná”.

O Estado vive uma crise financeira e fechou o ano passado com uma dívida de quase R$ 1 bilhão. Férias e licenças de professores tiveram de ser parceladas ou prorrogadas.

O grupo também cantou um “parabéns” de protesto ao governador:

“Desparabéns pra você nesta data maldita, muito bolo estragado, muita dor de barriga”, cantavam.

Richa não estava em casa. Ele cumpre agenda em São Paulo desde esta terça-feira (28), e só volta ao Paraná na noite de quinta (30).

“Nós temos a compreensão de que o governador é o grande responsável por tudo que aconteceu. Queremos relembrar essa data, mantendo viva a memória desta luta”, afirma Fernandes.

O Ministério Público Estadual já ingressou com uma ação de improbidade administrativa contra Richa, por ter dado “respaldo político, institucional e administrativo” à operação. O tucano refuta as acusações.

(Com informações do Bem Paraná)