Toledo – A votação do relatório da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que apura irregularidades na obra do Hospital Regional de Toledo foi adiada de ontem para as 9h desta sexta-feira (23). Isso porque diversas informações consideradas importantes no processo não foram incluídas no relatório. “Precisamos fundamentar melhor o documento. Pontuar as falas das pessoas ouvidas, citar as pessoas que deveriam ter sido ouvidas, a exemplo do engenheiro João Francisco Tonsic, que acompanhou toda a construção, se aposentou e hoje mora no Rio de Janeiro. Outro é o engenheiro responsável pelo trâmite da obra, José Carlos Jesus, que apresentou dois atestados médicos e não foi ouvido. Se ele não pode ser ouvido pela CPI, pelo menos precisa ser citado no relatório para que o Ministério Público o faça em hora oportuna”, argumenta o vereador Ademar Dorfschmidt (PMDB), membro da CPI.

Para Ademar, o relatório final aponta diversas irregularidades na obra. “Outra questão que precisa ficar mais clara é a parte do relatório que cita o fato da empresa que executou a obra, a Endeal Engenharia, não teria capacidade técnica para fazer uma obra desse tamanho. Precisamos pontuar quem foi o prefeito que licitou e homologou a licitação”.

Novos documentos

Há ainda um novo documento que chegou há poucos dias à CPI. Trata-se de um recurso administrativo interposto pela Construtora Sudoeste contra a Endeal Engenharia. “O documento traz a informação de que a Endeal teria utilizado a obra do HR para conseguir certificação de capacidade técnica para outra licitação, porém teria modificado as datas do cronograma real”, diz o vereador.

Como não há tempo para apurar essa questão, já que o prazo final da CPI é 25 de novembro, ela deve ser incluída no relatório para ser encaminhado aos Ministérios Públicos Estadual e Federal.