Brasília – O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, disse nessa sexta-feira (16) que a Polícia Federal comprou equipamentos que permitem identificar a origem da disseminação de notícias falsas.

Mendonça fez a afirmação durante evento em que foi apresentado um plano integrado voltado à segurança pública durante as eleições. Em entrevista após o evento, Mendonça disse que o ministério tem o papel de prevenir a proliferação das fake news. Ele pediu a colaboração de todos os cidadãos com a lisura do processo eleitoral. “A PF recentemente adquiriu equipamentos que permitem, em questão de um dia, talvez, identificar a origem da primeira notícia, quem foi o emissor da primeira notícia [falsa]”, destacou Mendonça.

“Grupos que queiram se organizar para disseminar notícias falsas, não o faça, porque, se o fizerem e houver um elemento indicativo que chegue à PF nesta situação, hoje, a PF tem condição de detectar a origem, os participantes. E, à luz das investigações, se iniciar um processo de natureza criminal perante à própria Justiça Eleitoral”, ressaltou o ministro.

Plano integrado

O Ministério da Justiça e Segurança Pública apresentou um plano integrado de segurança para as eleições municipais deste ano.

O objetivo é estabelecer diretrizes para integrar a atuação de órgãos federais, estaduais e municipais responsáveis pela segurança do pleito. O primeiro turno será dia 15 de novembro e o segundo está marcado para o dia 29 do mesmo mês.

Cada estado fará um plano operacional com base nos parâmetros previstos no documento. Os representantes ligados à segurança pública de cada ente terão acesso a um sistema que listará ocorrências relacionadas às eleições em tempo real.

O sistema foi batizado de Córtex e será alimentado por servidores dos estados treinados para a função. Segundo o Ministério da Justiça, o banco de dados facilitará “a tomada de decisões para uma rápida resposta”.

Segundo o ministro, os principais riscos de ocorrências durante as eleições estão relacionados à boca de urna, compra de voto e transporte ilegal de eleitores.