Curitiba – Cinco minutos de acréscimos mudaram a história do confronto entre Athletico e FC Cascavel pelas semifinais do Campeonato Paranaense.

Tinha tudo para ser um empate no 0 a 0, mas terminou com um gol para cada lado e nada definido em termos de classificação.

O fator decisivo da partida parece ter alterado as capacidades ofensivas dos dois times, tanto que foram pouquíssimos lances de finalização no primeiro tempo da partida, deixando os goleiros tranquilos. A melhor oportunidade do FCC aconteceu após os 40 minutos em uma cobrança de falta desperdiçada por Robinho, enquanto o Athletico criou duas chances com Léo Cittadini que finalizou para fora.

O Athletico partiu para o ataque no início do segundo tempo, com três chegadas em cinco minutos, mas logo o FC Cascavel conseguiu neutralizar as ações e chegar aos poucos. Aos 19 minutos, em um cruzamento para a área, Rogério cabeceou por sobre a meta atleticana.

A partida seguiu com muitos erros de passe e chances de contragolpes não concretizados. Aí, a bola parada se tornou a melhor opção para o Athletico, em uma cobrança de falta de Jadson que o goleiro Ricardo salvou. Depois, aos 47’, em outra falta, a bola foi alçada na área e o meia Erick marcou.

A alegria rubro-negra não durou muito. Willian Simões sofreu pênalti e Robinho cobrou com perfeição para empatar, aos 50 minutos, deixando tudo igual.

 

Próxima

Os dois times voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira, no Estádio Olímpico. Quem vencer estará classificado para a decisão do campeonato. Em caso de novo empate, a definição será nos tiros livres.

O FC Cascavel não contará com o zagueiro Afonso e o meia Robinho, que receberam o terceiro cartão amarelo.

Antes desta partida, o FC Cascavel decide o primeiro lugar de seu grupo na Série D, atuando em Joinville no final de semana.

Foto: Gustavo Oliveira/CAP

 

FICHA TÉCNICA

Athletico 1×1 FC Cascavel

 

Gols: Erick, aos 47’-2º e Robinho, aos 50’-2º

Cartão Amarelo: Afonso e Robinho(FCC)

Anderson; Khellven (Juninho), Zé Ivaldo, Thiago Heleno e Nicolas (Marcio Azevedo); Erick, Léo Citadini, Jadson e Canesin (João Pedro), Jaderson (Carlos Eduardo) e Kayzer (Mingotti). Técnico: Antonio Oliveira

Ricardo; Libano, Afonso, Lucas, Willian e Wiliam Simões; Duda (Giaretta), Henrique e Robinho; Léo Itaperuna e Rogério (Douglas). Técnico: Tcheco