Mais de 50 empresas e entidades paranaenses estão concentradas no Paraná BX Market Place, nova plataforma digital que dá visibilidade a quem busca investimentos externos. Lançado oficialmente, ontem (11), durante a missão técnico-comercial Paraná Business Experience, em Dubai, o site funciona como um “cardápio digital” em inglês que concentra informações relevantes para potenciais parceiros internacionais.

A ferramenta disponibiliza uma página personalizada para cada entidade, agregando dados como história da marca, contato, produtos, ações de ESG, vídeos e fotos de apresentação.  A plataforma foi idealizada pela Invest Paraná, autarquia responsável pela atração de investimentos no Estado e por organizar a missão em Dubai. O evento, realizado pela Paraná Metrologia e com apoio do Sebrae e do Governo do Estado, espera atrair novos negócios e clientes para o Paraná.

É uma ferramenta pensada para grandes eventos, como a Expo Dubai, e para manter as empresas paranaenses e o Governo do Estado sempre em uma vitrine. É uma forma do investidor estrangeiro ‘ler’ o Paraná com exatidão”, afirmou o governador Ratinho Junior.

Para o diretor-presidente da Invest Paraná, Eduardo Bekin, o BX Market Place cria uma conexão direta entre os investidores e os paranaenses. “Todas as empresas que têm o que ofertar para o mercado externo estão nela. Em vez de as pessoas saírem do evento carregando uma sacola com catálogos que ninguém vai olhar, ela sai com o link do marketplace, tendo acesso a todas as empresas em um único local e acessando o que o Paraná tem a ofertar”, ressaltou.

Além das empresas e entidades de classe, empresas públicas e prefeituras municipais também integram a plataforma, dando visibilidade a um amplo rol de informações sobre o Estado. Bekin pontuou que, ao navegar pelo site, o usuário já acessa diretamente o catálogo da companhia de interesse. “Funciona como uma prateleira infinita”, complementou.

A ferramenta organiza as empresas e órgãos em 14 segmentos: indústria, entidades governamentais, agronegócio, setor automotivo, finanças, energia, entidades e consultorias, alimentação e bebidas, tecnologia da informação e comunicação, infraestrutura, logística, imobiliária, bem-estar, e madeira, papel e celulose.

Exemplo

A Fiep (Federação das Indústrias do Paraná) é uma das entidades presentes no aplicativo. Seu objetivo é apresentar a diversidade do parque fabril paranaense e demonstrar que o Estado é um destino adequado e seguro para investimentos no Brasil. “Esse instrumento pode ajudar o empresário de fora a ter acesso a todos os serviços que nosso sistema presta para nossos industriais. Essa é uma iniciativa extremamente positiva, que integra indústrias, empresas e prefeituras do Paraná”, reforçou Carlos Valter, presidente da Fiep.

Ele disse que o agronegócio é um setor promissor para novas parcerias com países árabes. “O Paraná é um grande exportador de proteínas, mas ainda temos que agregar mais valor ao setor – investindo, por exemplo, em mais maquinário agrícola. Já somos clientes de vários países árabes que produzem fertilizantes, mas podemos ampliar esse relacionamento”, sugeriu Valter.

Networking permanente

Apesar de nascer com o objetivo de facilitar as conexões em Dubai, a plataforma será permanente. Ao fim da missão, ela será cedida ao Sebrae/PR, que vai gerenciar a entrada de novas empresas. “Ela não vende produtos, mas empresas. Após a feira, faremos a gestão dessa ferramenta para que todas as empresas do Paraná possam estar classificadas, conectadas e mostrando o que existe de melhor no Estado”, disse Vitor Tioqueta, diretor superintendente do Sebrae/PR.

Governador e empresários com família real

No primeiro dia do Paraná Business Experience, que acontece paralelamente à Expo Dubai, o governador Ratinho Junior se reuniu com investidores, redes de supermercado, fundos de investimento e representantes da família real dos Emirados Árabes Unidos. Ele explicou algumas das principais vocações e características do Estado, como a representatividade no PIB nacional (5ª maior economia), a liderança em cadeias produtivas do campo (frango, milho, peixes), o crescimento da industrialização, o potencial de geração de energia limpa e a produção com alta tecnologia. Hoje (12), será a vez das áreas de wellness, tecnologia, infraestrutura e indústria automotiva. “Estamos no centro de 70% do PIB da América do Sul. Queremos ser um polo logístico de toda a região, por isso temos dois portos públicos e teremos mais portos privados, além de uma linha férrea de 1,3 mil quilômetros num futuro próximo. O Paraná tem como vocação a produção de alimentos e o selo de maior grau de qualidade sanitária do mundo, da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), além da capacidade para vender de maneira eficiente essa produção a outros países”, disse Ratinho Junior.