Cascavel – A construção dos 815 novos abrigos de ônibus de Cascavel que estava parada desde o fim do ano passado terá um incremento financeiro. O chamado realinhamento de preços será de 25%, em média, para que a construtora de venceu a licitação consiga entregar todas as unidades. O realinhamento já foi assinado pelo prefeito Leonaldo Paranhos e está na mesa do secretário de Serviços e Obras Públicas, Sandro Camilo Rocha Rancy.

Em entrevista ao Jornal O Paraná, o secretário explicou que o realinhamento foi definido depois de muito estudo técnico e revisão dos índices dos materiais utilizados na obra, devido ao impacto no aumento causando pela a pandemia da Covid 19. “O reajuste será para que a construtora consiga ter um novo poder de compra e adquira os materiais para finalizar os abrigos e não em cima da margem de lucro”, explicou.

Rancy apontou alguns índices, que segundo ele, atingiram diretamente o andamento deste contrato e de muitos outros tanto do setor público, quanto do privado. O ferro e o vidro, por exemplo, que compõe a grande fatia da obra tiveram um aumento em média de 200% e de 120%, respectivamente. Além disso, outro grande aumento ocorreu diretamente no INCC (Índice Nacional de Custo de Construção), que chegou a atingir 15% em doze meses durante a pandemia.

O contrato com a Construtora Guilherme que venceu a licitação para a construção dos 815 abrigos foi assinado no dia 12 de fevereiro de 2020 e o prazo inicial era de seis meses. De lá para cá foram feitos cerca de 400 abrigos e pago metade do valor global do contrato que é de R$ 13.985.930,89.

Agora com este novo incremento financeiro, o contrato passará para R$ 17.563.139,80 e a empresa terá mais nove meses para terminar a obra, que é financiada pela a Caixa Econômica Federal, com recursos do FGTS e que tem 5% de contrapartida do Município de Cascavel.

 

Pontos indefinidos

Um dos problemas que ainda precisa ser resolvido no andamento do contrato é a localização de pelo menos 50 pontos. “O contrato foi assinado um mês antes da pandemia começar e fizemos ele pensando em uma realidade para o transporte público. Mas, de lá para cá tudo mudou, inclusive ruas que tinham ônibus hoje não têm mais. Agora estamos novamente reavaliando endereços para definir aonde são os pontos mais prioritários para se colocar os abrigos, de acordo com as linhas com maior número de passageiros”, explicou o secretário, lembrando que existe ainda o Plano de Mobilidade Urbana que teve alterações e que deve ser levado em consideração na tomada de decisões.

Sobre o valor unitários dos abrigos, Rancy disse que em média cada um custaria cerca de R$ 14 mil, formado pelo conjunto todo, desde a construção da base, calçada e das rampas de acesso, passando agora para uma média de R$ 17,5 mil. Existem dois modelos que estão sendo executados, em um deles tem uma calçada maior, com as rampas de acesso e os outros menores na largura.

 

Construtora aguarda

Marco Guilherme que é proprietário da Construtora Guilherme disse que eles ainda aguardam a decisão oficial do Município referente aos valores e ao pedido de realinhamento de preço, mas que voltaram com as obras em outubro deste ano em um ritmo mais lento, até que os detalhes sejam resolvidos. Segundo Guilherme, para a empresa a Prefeitura precisa indicar ainda a colocação de 300 endereços para a colocação dos abrigos e repassar a decisão do reajuste, que é necessário para que consigam terminar a obra devido ao aumento dos materiais.

 

++++

 

 

 

Reforço na sinalização

A Transitar iniciou a execução do cronograma de reforço da sinalização horizontal nos bairros de Cascavel. E o Cataratas – que está recebendo um grande fluxo de veículos devido ao desvio das obras do Trevo Cataratas/Alsir Pelissaro – abriu o planejamento de trabalhos. A equipe de sinalização iniciou os serviços revitalizando toda a sinalização horizontal do viaduto que cruza a Rodovia BR-467 pela Avenida Rocha Pombo, contemplando também a Avenida Corbélia, ambos impactados com o fluxo de veículos devido às obras do trevo. Agora, as vias do bairro estão recebendo reforço na pintura das legendas “pare”, eixo da pista, travessias de pedestres e áreas escolares e de Cmeis, permitindo melhores condições de visibilidade e clareza na travessia aos condutores.

Foto: Transitar