O novo Gramadão da Vila A, em Foz do Iguaçu (PR), vai ter um bosque com árvores de médio e grande portes, projetado para melhorar o conforto térmico do espaço, e mais de 20 mil metros quadrados de área gramada. Entre as espécies previstas estão o ipê-roxo, a canafístula, o jacarandá e a sibipiruna. No total, serão 40 árvores plantadas no bosque e no entorno, 75 arbustos e árvores de pequeno porte, como podocarpo, pata-de-vaca e azaleia, 300 mudas de herbáceas e mais de 16 mil mudas de plantas baixas.

A instalação do paisagismo, que é a última e mais aguardada etapa das obras de revitalização, deve começar no início de outubro. Se não houver nenhum incidente ou atraso provocado pelo mau tempo, a reabertura do Gramadão para a comunidade será no final de novembro, coincidindo com o início das festas natalinas.

Obra foi dividida em sete setores. A Rua Guará (entre Rua Perdigão e a Avenida Paraná) terá um calçadão (setor 7). No setor 1 (esquina da Avenida Silvio Américo Sasdelli) ficará a entrada principal do novo Gramadão; no setor 2, mirante para ver o pôr do sol e fonte seca.

A falta de árvores, especialmente na face oeste, que tem maior incidência solar no final da tarde, era um dos grandes problemas apontados pelos frequentadores e que agora será corrigido. Outra reclamação recorrente era a falta de bancos, que também será contemplada na reforma. A grama, principal característica e que dá nome ao espaço, vai ser reposta e ocupar cerca de 70% de toda a área do Gramadão.

As obras começaram há menos de um ano, em outubro do ano passado, com investimento total de quase R$ 4 milhões, recursos da margem brasileira da Itaipu Binacional. A iniciativa é da área de Comunicação Social da empresa, responsável pela gestão do espaço, e da Diretoria de Coordenação.

O arquiteto responsável pelo projeto, Henrique Gazzola de Lima, da Divisão de Planejamento de Infraestrutura, ressaltou que a revitalização corrige velhos problemas, como a falta de sombreamento, sem acabar com as principais características do Gramadão – um espaço público, aberto e de uso múltiplo. “Eu acho que a espera vai valer a pena”, ele diz, sobre o tempo de interdição para reforma. “A população vai ganhar uma área mais interessante do que já era, mais confortável e com muitas opções de lazer. Além de permitir a realização de diferentes eventos.”

Novidades

A fase mais pesada das obras, como terraplanagem, pavimentação e redes de infraestrutura, está na fase final de execução e já é possível perceber as novidades. Ao lado da entrada do Centro Executivo, por exemplo, foram construídas arquibancadas para o público descansar e acompanhar o pôr do sol. Ao lado, será instalada uma fonte seca (sem espelho d’água), com jatos verticais de água e iluminação especial.

O playground e a academia ao ar livre (com equipamentos fornecidos pela prefeitura) serão mantidos, mas com novos brinquedos, piso emborrachado (para dar mais segurança às crianças) e iluminação especial. Um escorregador de fibra e uma parede de escalada serão as novidades, aproveitando o desnível do terreno. A turma que gosta de escorregar com papelão na grama pode ficar tranquila: esse espaço também será mantido.

A rua Guará (atrás da Concha Acústica) será transformada em um grande calçadão arborizado, exclusivo para pedestres, desde a esquina com a rua Perdigão até a Avenida Paraná, passando por trás do Centro Executivo. Desta forma, o acesso ao Gramadão pela Avenida Paraná será facilitado, terá mais segurança e vai ganhar inclusive um totem indicando a entrada. Esse calçadão poderá receber foodtrucks, feiras ou eventos culturais, conforme avaliação do município.

O espaço onde ficava a feirinha de produtos orgânicos, ao lado da Concha, também será reservado como praça de alimentação – o modelo de gestão será definido em conjunto com a prefeitura. Poderá ser uma área de foodtruck, por exemplo, ou uma nova feira.

A entrada principal do novo Gramadão será na esquina da Avenida Silvio Américo Sasdelli com a rua Perdigão e terá bancos, jardins de chuva (sistema de drenagem) e iluminação especial. Outra novidade será um ajuste na topografia para reduzir o desnível entre o palco da Concha Acústica e o público. Foi levantado um platô, que também poderá ser usado como palco temporário.

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira, lembra que o novo Gramadão vai se integrar a outras melhorias em andamento na região, como o Mercado Municipal (também em fase de conclusão) e as ciclovias com pista de caminhada da Avenida Tancredo Neves e da Vila A – todas com recursos da Itaipu Binacional.

“Foz do Iguaçu é uma cidade que tem no turismo a sua principal atividade econômica e o Gramadão poderá se transformar num novo atrativo, contribuindo para o fortalecimento do setor. Porém, o mais importante será contribuir para a melhoria da qualidade de vida do cidadão iguaçuense. Vamos entregar um equipamento público, com características de parque urbano, com mais segurança e novas opções de lazer para a comunidade”, finaliza.

Crédito da foto aérea: Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional