Brasília – O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) indicou o general Carlos Alberto dos Santos Cruz para a Secretaria de Governo. O cargo é atualmente ocupado por Carlos Marun (MDB) e a secretaria tem status de ministério e é responsável pela articulação política com o Congresso.

Inicialmente, o nome de Santos Cruz foi cotado para secretário nacional de Segurança Pública, pasta ligada ao Ministério da Justiça, que ficará sob o comando do ex-juiz federal Sergio Moro. Mas ontem o presidente eleito anunciou Santos Cruz para a Secretaria de Governo.

O anúncio não deixou claro se a secretaria manterá o status de ministério nem suas atuais atribuições, que incluem basicamente articulações com o Congresso. Bolsonaro havia deixado essas responsabilidades a cargo da Casa Civil, que será ocupada pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Quem é

Santos Cruz é general da reserva do Exército e já foi Secretário Nacional de Segurança Pública e comandante das forças da ONU no Haiti e no Congo. Ele é formado pela Aman (Academia Militar das Agulhas Negras).

Cruz é o quarto militar indicado pelo presidente eleito para a equipe ministerial. Além dele, já foram nomeados os generais Augusto Heleno para o Gabinete de Segurança Institucional e Fernando Azevedo e Silva para a Defesa e o tenente-coronel da Força Aérea Marcos Pontes para o ministério da Ciência e Tecnologia. Há, ainda, o general Hamilton Mourão, eleito vice-presidente.

Confira como está o 1º escalão de Bolsonaro

Ministro da Economia – Paulo Guedes

Ministro da Casa Civil – Onyx Lorenzoni

Ministro da Justiça e Segurança Pública – Sergio Moro

Ministro da Ciência e Tecnologia – Marcos Pontes

GSI (Gabinete de Segurança Institucional) – Augusto Heleno

Ministra da Agricultura – Tereza Cristina da Costa Dias

Ministro da Defesa – Fernando Azevedo e Silva

Ministro das Relações Exteriores – Ernesto Araújo

Ministro da Controladoria-Geral da União – Wagner de Campos Rosário

Ministro da Saúde – Luiz Henrique Mandetta

Advocacia-Geral da União – André Luiz de Almeida Mendonça

Secretaria-Geral da Presidência da República – Gustavo Bebianno

Ministro da Educação – Ricardo Velez Rodriguez

Secretaria de Governo – Carlos Alberto dos Santos Cruz

BNDES – Joaquim Levy

Banco Central – Roberto Campos Neto

Petrobras – Roberto Castello Branco

Caixa Econômica Federal – Pedro Guimarães

Banco do Brasil – Rubem Novaes