Governo descarta horário de verão

O deslocamento do pico de consumo da energia elétrica é uma das respostas pretendidas pelo governo federal para poupar os reservatórios das hidrelétricas e evitar problemas na geração de energia em meio à crise no setor elétrico. Mobilizado para definir um novo programa que evite a concentração de consumo e o distribua dentro de outras faixas horárias (inclusive com possíveis incentivos financeiros à indústria), o Ministério de Minas e Energia já adiantou: o horário de verão não volta! Em nota, o Ministério de Minas e Energia afirmou que “no momento, não identifica que a aplicação do horário de verão traga benefícios para redução da demanda”.

 

Fura-fila

A Alep aprovou, ontem, projetos dos deputados Delegado Francischini (PSL), Requião Filho (MDB) e Plauto Miró (DEM) que preveem multa de até R$ 56,5 mil para quem furar a fila da vacina contra a covid-19 no Paraná. A proposta prevê ainda uma série de penalidades, como o impedimento de receber a segunda dose e veto para benefícios ou incentivos fiscais.

 

Calamidade

E a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) aprovou ontem, em sessão extraordinária, projeto de decreto legislativo que prorroga o estado de calamidade pública no Paraná por causa da pandemia da covid-19 até 31 de dezembro.

 

Caso Covaxin

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), disse ontem que as denúncias de pressão para a liberação da importação da vacina Covaxin e a possibilidade de que o presidente Jair Bolsonaro tenha tido conhecimento da situação talvez seja a denúncia mais grave recebida pela comissão. O servidor Luís Ricardo Miranda, do Ministério da Saúde, deve depor à CPI nesta sexta, para falar sobre o caso.

 

Caluniosa

À noite, o ministro Onix Lorenzoni declarou que acionou a Polícia Federal para investigar o servidor e seu irmão, deputado Luis Miranda, por denunciação caluniosa contra o presidente Bolsonaro.

 

Moro parcial

O STF concluiu ontem o julgamento sobre a decisão da Segunda Turma que declarou a suspeição do ex-juiz federal Sergio Moro ao condenar o ex-presidente Lula (PT) na ação do tríplex do Guarujá. Por sete votos a quatro, os ministros confirmaram o entendimento de que Moro foi parcial ao condenar o petista.

 

Ex-herói

Restavam apenas os votos do presidente da Corte, Luiz Fux, e do decano Marco Aurélio Mello. “O juiz Sergio Moro surgiu como verdadeiro herói nacional e então, do dia para a noite, ou melhor, passado algum tempo, é tomado como suspeito. E aí caminha-se para dar o dito pelo não dito em retroação incompatível com os interesses maiores da sociedade, os interesses maiores do Brasil”, afirmou Marco Aurélio.

 

Foto:

Salles fora

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pediu demissão na tarde dessa quarta-feira ao presidente Jair Bolsonaro. O ato de exoneração foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União, no qual já saiu a nomeação de Joaquim Álvaro Pereira Leite em seu lugar. Joaquim era secretário da Amazônia e Serviços Ambientais da pasta. Alvo de duas investigações no STF,  Salles vinha sob pressão e alegou “motivos familiares” para deixar o cargo. Um dia antes, ele foi elogiado publicamente por Bolsonaro em evento no Planalto. “Parabéns, Ricardo Salles. Não é fácil ocupar seu ministério. Por vezes, a herança fica apenas uma penca de processos. A gente lamenta como por vezes somos tratados por alguns poucos desse outro Poder, que é muito importante para todos nós”, disse, em alusão ao STF.