Cida quer Beto fora da chapa

A governadora e candidata à reeleição, Cida Borghetti (PP), disse ontem que o ex-governador Beto Richa (PSDB) não deve continuar como candidato ao Senado na sua chapa. Em entrevista à RPC TV, Cida revelou que a questão já está sendo discutida pela coligação: “Eu acho que não é possível. Não é confortável”. Cida fez questão de dizer que como vice de Richa até abril deste ano nunca teve conhecimento dos episódios que levaram o ex-governador preso na terça-feira pelo Gaeco, investigado por um esquema de desvio de recursos e lavagem de dinheiro em obras de estradas rurais. E ela ainda alfinetou: “[O Programa Patrulha Rural] era administrado pelo secretário de Agricultura, Norberto Ortigara, [hoje] coordenador do plano de governo do candidato Ratinho Júnior”.

Osmar de volta?

Com a confusão criada no cenário eleitoral paranaense e o clima de susto, já tem quem sonha com uma reviravolta total nas eleições: a volta do ex-senador Osmar Dias (PDT) para a disputa pelo governo do Estado. Só para lembrar, Osmar abandonou a candidatura nos acréscimos e sumiu.

O que sobra

O raciocínio da oposição é que, como os dois líderes das pesquisas, Ratinho e Cida, estão "umbilicalmente" ligados a Beto Richa e seu governo, Osmar teria condições de vencer a eleição.

Tête-à-tête

"Ratinho Junior, é aqui na Boca Maldita que eu quero debater com você. Vamos discutir o futuro do Paraná". O “convite” é do deputado João Arruda, candidato a governador do Paraná, ao lançar ontem o "Espaço Converse com João", na Boca Maldita, no centro histórico de Curitiba.

Na ferida

João Arruda citou os escândalos de corrupção que culminou na prisão de Beto Richa, ex-governador e principal padrinho político do candidato Ratinho, que foi secretário da pasta mais forte do governo. O ato marcou ainda o lançamento de um abaixo-assinado pedindo a participação de Ratinho nos debates que estão ocorrendo durante a campanha eleitoral.

Corta tudo

Ogier Buchi, candidato a governador do Paraná pelo PSL, quer uma redução drástica no número de secretarias de Estado e no aparato estatal: “Fora [as secretarias da] Fazenda, Educação, Saúde e Segurança Pública, todos os outros órgãos de gestão podem ser transversais. O Estado já foi muito mais enxuto do que é hoje”, disse à RPC.

Lula lá…

A vida do ex-presidente Lula também não anda muito fácil. O presidente do STJ, João Otávio Noronha, quer tirá-lo da cela da Polícia Federal em Curitiba e mandá-lo para um presídio comum. Já o presidente do TRE do Paraná, desembargador Luiz Taro Oyama, negou a Lula o direito a votar em outubro.

Condenado

O TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) julgou ontem o recurso de apelação criminal do empresário Marcelo Bahia Odebrecht, ex-presidente do Grupo Odebrecht, e manteve a pena fixada em 19 anos e quatro meses de reclusão pela prática dos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Só pra constar: é da Odebrecht boa parte das provas que hoje assombram a vida de Beto Richa.

Governança

A Escola do Legislativo da Câmara de Toledo apresentou ontem o Programa Itaipu-PTI-Amop em Governança Municipal, que está sendo lançado para atender os 54 municípios que integram a Amop.

Eleita nova presidente

A professora Marli Maraschin de Queiroz (foto) foi eleita presidente do Sinprefi (Sindicato dos Professores e Profissionais da Rede Pública Municipal de Educação de Foz do Iguaçu) para o quadriênio 2018-2022. Marli é secretária-geral do sindicato e liderou a Chapa 2. Ela assume o cargo dia 1° de outubro e com uma bomba nas mãos: o déficit da Foz Previdência é estimado em R$ 3,5 bilhões: “Esse assunto não preocupa apenas o Sinprefi, mas também o prefeito Chico Brasileiro e queremos solução conjunta.”