Alvaro e Maia articulam aliança

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) (foto) começaram a discutir uma possível aliança na disputa presidencial deste ano. O objetivo é construir uma coligação de centro em torno da candidatura de um deles e, dessa forma, tentar isolar PSDB e MDB, que negociam uma possível coligação em torno do ex-governador tucano Geraldo Alckmin. Os presidenciáveis têm conversado por meio de interlocutores e já se encontraram pelo menos uma vez nas últimas semanas para tratar do assunto.

Almoço

No fim de abril, eles almoçaram na residência oficial da Presidência da Câmara. Na ocasião, Maia e Alvaro concordaram que os partidos de centro precisam se unir, pois, do contrário, nenhum de seus representantes sequer chegará ao segundo turno da disputa presidencial. Os dois, porém, avaliaram que o cabeça dessa chapa de centro não pode ser Alckmin.

Produto velho

No DEM, a avaliação é de que Alckmin representa um "produto velho" e trará para sua candidatura todo o desgaste do Governo Michel Temer, se tiver um emedebista de vice. Já para o grupo de Dias, uma chapa PSDB-MDB poderá favorecer o senador, na medida em que permitirá uma polarização dentro do próprio campo do centro. "Seria o mundo ideal para nós. De um lado, estariam eles com a ‘chapa Lava Jato’. Do outro estaríamos nós", disse Alvaro.

Voto impresso

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) definiu que a implantação do voto impresso no Brasil será feita de maneira gradual. Para as eleições deste ano, serão 23 mil conjuntos de impressão de votos distribuídos em todo o País de forma proporcional ao eleitorado de cada estado. O Paraná receberá 1.248 conjuntos, enquanto São Paulo receberá 5.208. O estado com o menor número de urnas com voto impresso é Roraima, com 52.

Se telemarketing

O STF (Supremo Tribunal Federal) manteve a proibição do serviço de telemarketing nas eleições. Por maioria, os ministros decidiram manter a validade da Resolução 23.404/2014, do TSE, aprovada em fevereiro de 2014, que proibiu candidatos de utilizarem serviços de telemarketing para pedir votos aos eleitores.

Barrados

O TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) indeferiu liminarmente esta semana pedido de visitação ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva feito pelos políticos do PDT Ciro Gomes, Carlos Roberto Lupi, presidente do partido, e André Peixoto Figueiredo Lima, deputado federal.

Sem direito

Segundo o desembargador federal João Pedro Gebran Neto, não é direito líquido e certo de amigos a visitação a um preso, não cabendo o mandado de segurança. Gebran frisou que tal requerimento poderia ser feito apenas por familiares e em situações excepcionais, sendo correta a decisão do juízo de execução.

Uniformes

Os vereadores Celso Dal Molin e Policial Madril entregaram ontem à 7ª Promotoria de Patrimônio Público um documento solicitando a tomada de providências e a abertura de inquérito civil e criminal a respeito da venda em Foz do Iguaçu e Cidade de Leste de uniformes escolares com o brasão do Município de Cascavel.

Venda

No dia 25 de abril, os vereadores foram até a fronteira e encontraram lojas tanto em Foz do Iguaçu quanto no Paraguai nas quais estava sendo feita a comercialização dos uniformes, inclusive com o brasão no Município de Cascavel e em perfeito estado de uso. Na loja brasileira a peça custa R$ 20 e vem até com nota fiscal.

Pedidos

Na loja foi informado aos vereadores que é possível fazer grandes pedidos, dando a entender, como explica o vereador Celso Dal Molin, que havia grande estoque, inclusive com uma encomenda de 200 peças para uma cliente do estado do Rio Grande do Sul, que tiraria os brasões e revenderia as peças. Na etiqueta, as mesmas fabricantes que já forneceram à prefeitura: Bela Vista Papelaria e Distribuidora Eireli-Me e Nilcatex Têxtil Ltda.