Impostômetro: Oeste supera 11 capitais na arrecadação de impostos

Os 50 municípios da região recolheram mais de R$ 1 bilhão aos cofres públicos ano passado

Reportagem: Josimar Bagatoli

Cascavel – Os tributos pagos por quem mora, estuda e trabalha nas 50 cidades que integram a região oeste do Paraná chegaram à marca de R$ 1 bilhão ano passado. Os dados são do Impostômetro, da Associação Comercial de São Paulo, e indicam aumento de 9,3% na comparação com 2018, quando a população do oeste recolheu R$ 915 milhões aos cofres públicos. Com 1,3 milhão de moradores, cada um desembolsou ano passado R$ 770 só em impostos.

A soma arrecadada no oeste supera em praticamente o dobro do que foi registrado em 11 capitais brasileiras, como Palmas (TO), Rio Branco (AC), Aracaju (SE), Boa Vista (RR), Porto Velho (RO), Natal (RN), Teresina (PI), João Pessoa (PB) e São Luiz (MA). Os tributos pagos na região ficam próximos ao total de Florianópolis (SC), que arrecadou R$ 918 milhões.

Cascavel lidera o ranking regional de arrecadação, chegando a R$ 305 milhões – aumento de 12% em relação ao ano anterior.

Em todo o Estado, Curitiba é quem mais paga impostos: mais de R$ 3 bilhões; seguida de Londrina, R$ 688 milhões, e Maringá, R$ 540 milhões. Juntos, os paranaenses recolheram ano passado R$ 138.374.540.056 em tributos, o que representa 5,6% de tudo o que foi arrecadado no País (R$ 2,5 trilhões).

No oeste paranaense houve queda na arrecadação de impostos em 36 das 50 cidades, no entanto, o volume cresceu em municípios considerados polos, o que, segundo especialistas, revela uma migração dos moradores para os grandes centros e também do consumo.

Toledo teve aumento de 13% na arrecadação; Foz, Guaíra, Santa Helena, Santa Terezinha de Itaipu e Terra Roxa registraram aumento de 15%; Medianeira e Palotina de 17%; Marechal Rondon, 25%; São Miguel do Iguaçu, 26%; Assis Chateaubriand, 28% e Três Barras, 32%. A geração de tributos na região está fortemente atrelada à movimentação comercial, industrial e de commodities.

“Fecharam muitas empresas, mas o impacto maior foi sentido nas cidades pequenas. A região oeste tem uma dinâmica da agroindústria, por isso, independente da econômica, a produção terá continuidade”, explica o economista Ronaldo Bulhões.

Os municípios exportadores, como Cascavel, Medianeira e Toledo, possuem grande participação na arrecadação dos tributos. Embora a população em geral tenha ativamente pago tributos na compra de produtos e na prestação de serviços, a geração é atribuída aos empreendedores. “No geral, a renda do brasileiro não teve mudança, pois o desemprego é grande e há muita gente endividada. Mas é claro que na compra final o consumidor paga o tributo”, explica o economista.

Tanto para o consumidor quanto para categoria empresarial a tributação elevada significa um comprometimento grande da renda. Em 2010, os brasileiros precisaram trabalhar 148 dias do ano para pagar o volume de impostos e, desde 2016, são necessários 153 dias. “O tributo rebate na prateleira, na compra de todos os produtos. Já os empresários, muitos tiveram que fechar as portas devido à elevada carga tributária, que onera todo o sistema”, diz o economista.

Valor arrecadado por município

Cidade        2018 (R$)   2019 (R$)

Anahy         2.009.932   1.652.190

Assis Chateaubriand      11.683.938 14.941.587

Boa Vista Aparecida      3.068.578   2.783.059

Braganey     3.711.178   3.040.075

Cafelândia   11.028.251 10.784.351

Campo Bonito     2.190.588   1.813.177

Capitão L. Marques       8.795.237   7.815.653

Cascavel     272.723.186                 305.563.247

Catanduvas 3.911.502   3.360.910

Céu Azul    8.491.585   7.097.953

Corbélia      14.729.101 12.706.835

Diamante D’oeste 1.911.036   1.699.964

Diamante Do Sul  1.206.263   1.108.313

Entre Rios do Oeste       4.482.014   3.566.935

Formosa do Oeste 2.092.474   1.825.719

Foz do Iguaçu      220.253.842        252.256.880

Guaíra         11.937.186 13.799.509

Guaraniaçu 7.001.601   5.858.472

Ibema         3.467.507   2.721.631

Iguatu         825.541      730.086

Iracema do Oeste  1.421.892   1.100.624

Itaipulândia 4.419.594   4.671.750

Jesuítas       4.019.327   3.334.546

Lindoeste    2.084.955   1.868.657

Marechal C. Rondon     25.838.256 32.360.413

Maripá        4.901.629   3.842.493

Matelândia  12.244.993 11.853.476

Medianeira  29.819.482 34.852.219

Mercedes    3.375.097   2.466.764

Missal         4.597.184   4.946.125

Nova Aurora        6.410.560   5.485.071

Nova Santa Rosa  5.669.324   4.463.936

Ouro Verde do Oeste     3.237.730   2.651.122

Palotina      24.512.310 28.788.552

Pato Bragado        4.213.406   3.032.569

Quatro Pontes      2.794.466   2.386.046

Ramilândia 1.862.305   1.516.046

Santa Helena        8.137.962   9.767.646

Santa Lúcia 1.533.523   1.264.507

Santa Tereza Do Oeste   8.763.258   7.890.866

Santa Terezinha    8.504.620   9.836.376

São José das Palmeiras   1.443.256   1.230.569

São Miguel do Iguaçu    7.654.419   9.653.696

São Pedro do Iguaçu      2.058.246   1.563.646

Serranópolis         3.215.194   2.548.026

Terra Roxa  10.449.337 12.003.068

Toledo        115.679.140        131.066.602

Três Barras 1.592.739   2.107.723

Tupãssi       5.403.154   4.136.786

Vera Cruz do Oeste        3.582.862   3.031.780

Total:         914.960.760        1.000.848.246

Fonte: Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo

 



Fale com a Redação

um × 3 =