Construindo para a prefeitura

A insuficiência de prédios públicos para comportar os serviços municipais tem chamado a atenção dos investidores. Cascavel conta hoje com 50 estruturas alugadas. Por ano são pagos R$ 500 mil de aluguel. A mais recente que chama a atenção é a do Laboratório Central/Cedip – inaugurada nesta semana. A área que por décadas ficou abandonada deu espaço aos barracões finalizados em menos de dois anos, construídos especialmente para atender as necessidades do serviço público. O espaço moderno vai custar aos cofres públicos R$ 28,5 mil por mês, um total de R$ 684 mil na locação em dois anos, conforme o tempo estabelecido em contrato. O setor da saúde é o que mais gasta com locação – são 21 prédios -, um deles é o mais caro de todo o Município: são pagos R$ 43,9 mil/mês.

Damasceno substituído

Damasceno Júnior (PSDC) se mantém nas funções de vereador após a denúncia protocolada por assessora exonerada que o acusou de cobrar a devolução de parte do salário. Como ele integrava a Comissão de Ética que analisará o caso, a substituição teve de ser feita. A vaga será ocupada por Josué de Souza – indicação de Gugu Bueno (PR). Nesta sexta-feira, às 8h, a Comissão realiza a primeira reunião e define o cronograma de oitivas. O prazo é 90 dias para fazer relatório a respeito da denúncia formalizada contra Damasceno. O caso também é investigado pelo Ministério Público.

Bikes recusadas

Os vendedores ambulantes que estavam nos terminais de transbordo negociam novos pontos na cidade. Eles estão impedidos de retornar após as reformas. A pedido de Sidnei Mazutti (PSL), estão em andamento conversas com o secretário de Desenvolvimento, João Andrade, que ofereceu as “Bikes Legais”. O veículo foi recusado pelos 12 vendedores – que, vale lembrar, atuavam nos terminais sem licitação havia um bom tempo. Dizem os ambulantes que o prefeito Leonaldo Paranhos prometeu trailers. Insatisfeito, o grupo espera uma nova reunião.

UFM mais cara

Embora não tenha sido comentado, a UFM (Unidade Fiscal do Município) já está com valor definido para 2019 – será de R$ 43,85. A taxa hoje é de R$ 42,05, ou seja, aumento de 4,2% com base no IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de 1º de setembro de 2017 a 31 de agosto de 2018.

***Outro avanço no serviço público apresentado ontem pelo prefeito Leonaldo Paranhos foi o decreto que racionaliza atos e procedimentos administrativos dispensando reconhecimento de firma em cartório em alguns documentos.

***A partir de agora a assinatura e a comparação das cópias pelo servidor serão suficientes.